CAPÍTULO 13. TERRAS ÚMIDAS
(WETLANDS)
OBJETIVOS:
1. Definir terras úmidas.
2. Identificar as partes de um ecossistema
de terras úmidas.
3. Diferenciar entre terras úmidas de água
doce e de água salgada, e entre várzea e
pântano.
4. Listar os valores econômicos das terras
úmidas.
CAPÍTULO 13. TERRAS ÚMIDAS
(WETLANDS)
As terras úmidas são áreas com
inundações intermitentes.
A vegetação que predomina é diferente
daquelas áreas sem inundações.
Quando os solos se saturam de água, o
acesso ao oxigênio atmosférico se restringe
e os solos se tornam anaeróbicos. As raízes
comuns não podem respirar e a maior parte
das plantas não podem viver aí.
CAPÍTULO 13. TERRAS ÚMIDAS
(WETLANDS)
As plantas de zonas úmidas tem desenvolvido uma
adaptação especial:
•Mangues: levam ar a suas raízes através de tubos
especiais.
•Borracheira negra: processo respiratório em
ausência de ar. Fabricam um produto não oxidado
que se transporta ao alto do tronco para ser oxidado.
•Ciprestes possuem raízes especiais (joelhos) que
crescem sobre a terra através das quais
intercambiam pequenas quantidades de dióxido de
carvão e oxigênio.
13.1 CARACTERÍSTICAS DAS TERRAS
ÚMIDAS.
As terras úmidas de vegetação herbácea são
denominadas várzeas, e pântanos são
aquelas com árvores e arbustos.
Existem muitos tipos de terras úmidas com
vegetação variada. O tempo que dura a
inundação (hidroperíodo), a profundidade
da inundação e os nutrientes disponíveis
determinam o tipo de vegetação.
13.1 CARACTERÍSTICAS DAS TERRAS
ÚMIDAS.
Muitos pântanos conservam a água, em especial
aqueles que estão em regiões planas cercadas por
montanhas, que recebem principalmente água de
chuva.
Mesmo que as plantas devam transpirar vapor de
água dos seus tecidos para o ar, algumas árvores
de turferas transpiram menos que outras plantas.
Portanto, nos pântanos se perde menos água que
em superfícies abertas de lagos.
13.1 CARACTERÍSTICAS DAS TERRAS
ÚMIDAS.
A adaptação destas plantas ajuda a manter a
área úmida e conservar a água.
A maior parte da água pode filtrar-se até
depósitos ou rios de água subterrânea.
Os esforços de drenar pântanos para
economizar água são ações equivocadas.
13.1 CARACTERÍSTICAS DAS TERRAS
ÚMIDAS.
Devido ao fato de que as terras úmidas
recebem água de terras altas, elas atuam
como filtros naturais que absorvem
nutrientes, turbidez e microorganismos
mortos.
Estudos recentes demostram que as águas
servidas podem ser descartadas em várzeas
e pântanos, proporcionando assim um
tratamento natural da água.
13.1 CARACTERÍSTICAS DAS TERRAS
ÚMIDAS.
O crescimento nessas zonas de produtos
úteis ao ser humano, como madeira e turfa,
é sustentável, e se poupariam milhões de
dólares em custos de tecnologia de
tratamento.
Algumas áreas têm tido este tipo de
tratamento de controle de águas servidas
por 40 anos ou mais, mas só agora se
entende quão bem trabalha este sistema.
13.1 CARACTERÍSTICAS DAS TERRAS
ÚMIDAS.
Como a energia é utilizada em várias
adaptações especiais para a vida nas terras
úmidas, a diversidade de espécies de
plantas nestas áreas é menor que em uma
floresta ordinária.
A variedade de insetos, pássaros e outros
animais, deve ser muito maior.
13.2 PÂNTANOS DE ÁGUA DOCE.
A Figura 13.1 mostra as principais características
de um ecossistema pantanoso.
Compare com a Figura 15.1 que é o diagrama de
um bosque de terras altas. Pode-se ver que
algumas características são similares, como
folhas, talos, raízes, leito, evapo-transpiração,
insetos e pássaros.
O papel da água é diferente no pântano, já que
neste causa sedimentos e turfa, acumulando e
armazenando nutrientes e outras substâncias.
Figura 13.1 Principais características de um pântano de
planície inundada de rio.
13.3 MARISMAS E MANGUES.
As terras úmidas cobertas temporariamente por
água salgada têm uma vegetação característica.
Em áreas congeladas durante o inverno,
predominam as plantas de marisma.
Em áreas mais tropicais não congeladas, as terras
úmidas de água salgada desenvolvem manguesais
(com árvores de água salgada).
Na Figura 13.2 se expõem as principais
características deste tipo de ecossistema.
13.3 MARISMAS E MANGUES.
A água corre em forma de rios e as marés
permitem a entrada e saída da água salgada.
As mudanças de maré também intercambiam com
mar aberto: peixes, plâncton e larvas de animais,
e carregam consigo matéria orgânica, poluição e
sedimentos.
A energia das marés interatua com as plantas
fazendo uma rede de canais para que a água possa
fluir livremente.
Figura 13.2 Ecossistema de terras úmidas de água salgada.
13.3 MARISMAS E MANGUES.
As plantas das várzeas e os mangues possuem uma
forma especial de obter água doce a partir da água
salgada que banha suas raízes.
Algumas usam luz solar para transpirar água e a
sucção no talo extrai água das raízes, deixando
alguma quantidade de sal atrás.
Outras plantas utilizam os produtos da fotossíntese
como energia para segregarem sal de suas folhas.
Como a energia se utiliza para adaptação ao meio
salino, existe menor diversidade nestes
ecossistemas.
13.3 MARISMAS E MANGUES.
A evaporação de água e a transpiração
realizada pelas folhas, deixa sal no solo.
As mudanças de maré e a água dos rios
"lava" o sal do solo. Todavia, se o sal se
acumula, as plantas ficam anãs ou morrem.
Na Figura 13.2 a pressão do sal mata as
plantas, produzindo erva morta e um
armazenamento de turfa.
13.3 MARISMAS E MANGUES.
As partículas pequenas de plantas mortas
adicionam matéria orgânica que flui para
dentro com a água dos rios e marés, e serve
de alimento a mariscos de filtro-alimentação
e ostras.
As partículas grandes são alimento de
caranguejos, caracóis e vermes.
13.3 MARISMAS E MANGUES.
As marismas, com várias espécies de pastos, se
encontram ao longo da costa onde não existem
ondas agressivas e a água é tranqüila.
Na faixa entre ±30 graus de latitude, onde não
existem geadas mortais, crescem também
manguezais. As árvores dos manguezais possuem
raízes muleta para sustentá-las sobre a água e em
solo úmido.
A partir das sementes flutuantes que conseguem
aderir-se ao solo se desenvolverão novas plantas.
13.3 MARISMAS E MANGUES.
Quando as várzeas e os manguezais recebem
nutrientes minerais, tendem a crescer rapidamente e
mandar matéria orgânica aos estuários. Em outras
situações podem receber matéria orgânica de
drenagens de terra.
O consumo da matéria orgânica devolve os
nutrientes minerais ao estuário. Desta maneira as
plantas e árvores atuam como amortizadores e
mantém o balanço de nutrientes e matéria orgânica
na água que as rodeia.
13.3 MARISMAS E MANGUES.
A vegetação das terras úmidas da costa ajudam
reduzir a erosão durante inundações e marés
tempestuosas.
Plantas e árvores atuam como barreiras, reduzindo
os danos produzidos pelos fortes ventos.
Estes ecossistemas são muito importantes como
"cinturões verdes" e como refúgios de vida
selvagem, pois provém áreas de refúgio para
mamíferos e pássaros.
Questões
1. Defina os seguintes termos:
a . terras úmidas
b. anaeróbio
c. várzeas
d. oxidado
e. pântano
f. transpiração
g. águas residuais ou águas servidas
h. amortizador
i. erosão
Questões
2.
3.
4.
5.
6.
Discuta as características do ecossistema de
terras úmidas.
Explique as diferenças entre pântano e lamaçal.
Faça um diagrama de um ecossistema
específico de terras úmidas de água salgada.
Use a Figura 13.3 como guia.
Faça uma lista e discuta as principais razões
pelas quais as terras úmidas têm importância
ecológica e econômica.
Discuta a relação simbiótica entre as terras
úmidas de água salgada e os estuários.
Descargar

Cap. 13 - Unicamp