Gêneros textuais, atividades
sociais e ensino de linguagem
Désirée Motta-Roth
Universidade Federal de Santa Maria
[email protected]
http://w3.ufsm.br/desireemroth
Gênero textual no sentido de:
 linguagem usada em contextos recorrentes da
experiência
humana,
que
são
socialmente
compartilhados
 formas recorrentes e significativas de agir em
conjunto, que põem alguma ordem no contexto da
vida em coletividade (nos termos de Clifford Geertz,
1983:21); como formas de vida que se manifestam
em jogos de linguagem, de tal sorte que a linguagem
é parte integral de uma atividade (nos termos de
Ludwig Wittgenstein ([1953] 1958:88, § 241), a ponto
de o gênero tornar-se um fenômeno estruturador da
cultura.
2
Gênero como tipo de texto ou
estratégia/modalidade retórica
“Uma aula da disciplina Língua Portuguesa, (…) ao tratar dos gêneros
narrativos ou descritivos, pode fazer uso de relatos de fatos históricos,
processos sociais ou descrições de experimentos científicos” (p.18).
“…parece útil propor que os alunos do ensino médio dominem certos
procedimentos relativos às características de gêneros específicos (…):
…narrativa ficcional (narrador, personagens, espaço, tempo, conflito,
desfecho);
…texto poético (rima, ritmo, assonância, aliteração, onomatopéia);
…texto de análise ou opinião (tese, argumento, contra-argumento,
conclusão) ...;
…texto informativo (tópico e hierarquia de informação, exemplificação,
analogia).” (p.78-9)
3
Gênero como evento
comunicativo compartilhado
”Essa abordagem explicita as vantagens de se abandonar
o tradicional esquema das estruturas textuais (narração,
descrição, dissertação) para adotar a perspectiva de que a
escola deve incorporar em sua prática os gêneros,
ficcionais ou não-ficcionais, que circulam socialmente:
+ na literatura, o poema, o conto, o romance...;
+ no jornalismo, a nota, a notícia, a reportagem,..., a carta
do leitor;
+ nas ciências,… o verbete, o ensaio;
+ na publicidade, a propaganda institucional, o anúncio;
+ no direito, as leis, os estatutos.…” (p.77)
4
Contexto no texto
 Eventos sociais se
constituem na
linguagem: redes de
relações, conjuntos de
objetivos
comunicativos se
realizam na linguagem
com diferentes graus
de ritualização.
5
Quais elementos são relevantes em
que contextos?
 Noções/Idéias (Ideologia);
 Discurso (Função Constitutiva);
 Funções, Atos de fala, Modo/Modalidade
(Significado Interpessoal);
 Estrutura (Textura, Intertextualidade);
 Gramática (Encadeamento frasal);
 Vocabulário (Relações Semânticas,
Formação de palavras);
 Fonologia (Pronúncia).
6
Noções/Idéias (Ideologia)
 a) Página da web: Detalhes
biográficos; b) Interesses e
preferências (hobbies); c) Idéias,
crenças, valores (religiosos, políticos,
filosóficos ou outros); d) Família,
amigos, relações, informações
professionais.
7
8
9
Modo, Modalidade (Significados
Interpessoais)
 Onde e como o texto é produzido, distribuído e
consumido? (impresso ou html, letras ou imagens)
 Quem pode/deve escrever/falar? Com que objetivo?
(mais ou menos interativo)
 Quem pode/deve ler/ouvir? Com que objetivo?
 Que tipo de identidade aparentemente se pretender
construir para escritor e leitor? (mais ou menos
distanciamento social)
 Que tipo de efeito se imagina que o texto pode
causar?
 Qual a orientação para o leitor? (pessoa, modo
verbal, dialeto/registro de linguagem usados)
10
Estrutura (Textura,
Intertextualidade)
 Formato e divisão em seções;
 Organização temática (no espaço, no
tempo, paragrafação);
 Coesão e coerência entre as partes
(hierarquia de informação, coesão
referencial);
 Referência a outros textos/eventos
(citação do discurso alheio).
11
Gramática e Vocabulário
(Morfologia e Sintaxe)
 Mecanismos de encadeamento frasal (encaixamento,
subordinação, coordenação);
 Princípios de formação de palavras;
 Relações semânticas;
 Recursos oferecidos pelo sistema verbal (tais como
emprego apropriado de tempos e modos verbais,
formas pessoais e impessoais);
 Concordância verbal e nominal;
 Pontuação sintagmática e expressiva, e outros sinais
gráficos;
 Ortografia oficial do Português.
12
Discurso e Funções - Jornal da
turma, Carta pessoal, Orkut,Blog
Como você se chama? Qual é a sua idade? Onde você nasceu?
Onde você mora? Qual é seu endereço? Você tem telefone/celular/email?
Com quem você mora? Com a família? Você tem irmãos? Qual é seu
estado civil? Você tem namorado/a? Como você se parece?
Quais são suas atividades diárias? Você trabalha? No quê?
Você estuda? Onde? Que curso você faz?
Que você gosta de fazer nos momentos de lazer? Você tem algum
hobby? Você coleciona algum objeto? Você gosta de arte, poesia,
música, cinema, esporte? Qual é seu tipo preferido? Você gosta de
viajar? Que cidades você já visitou? Você já navegou na Internet?
Conhece algum site interessante?
13
14
ARTE – Fruição de uma obra de
arte (Kehrwald, 1998:25-6):




Descrição: O que se vê? Quantas pessoas? Outros
elementos? Existem Linhas? Quantas e Como são? Que
cores e Que texturas se vêem no rosto, nas roupas, no céu?
Qual a técnica e o estilo usados? Qual o contexto histórico
de produção da obra?
Análise: Que efeitos o artista conseguiu? Há uma figura
central? Há movimento, desequilíbrio? Como é o tratamento
da cor em relação às formas? Como é o fundo?
Interpretação: Que sentimentos se podem associar a’Os
Retirantes? O contexto social expresso na obra é o mesmo
que o seu? Se Portinari fosse vivo, será que pintaria o
mesmo tema?
Julgamento: Você acha que essa obra é importante? Por
quê? Por que será que Portinari a pintou? Por que algumas
pessoas querem ter obras de arte? Elas são importantes?
15
CIÊNCIAS: Reflexão, investigação e
relatório (Lopes e Dulac, 1998:40):


Reflexão: Quais as relações entre conhecimento científico
trabalhado na escola e a ciência e tecnologia presentes no
cotidiano das pessoas? Qual a importância da ciência e
tecnologia? O que significa ver na publicidade de alguns produtos
a expressão “comprovado/testado cientificamente”? Como a
ciência e a tecnologia podem melhorar ou piorar a vida em
sociedade?
Pesquisa e Relatório: Há produtos no comércio que usam
informações científicas como chamariz? Você tem em casa algum
produto que foi comprado, como um detergente em pó, por
conter “uma enxima” XXXase que garante sua ação
branqueadora? O que fazem as enzimas? O que sua ação tem a
ver com a limpeza? Quando almoçamos em um restaurante que
anuncia comida natural, sem produtos químicos, sabemos o que
é um produto químico? existe algo sem produtos químicos? O
que significa o nome de produtos de limpeza com o prefixo bio?
O que tem a ver esse prefixo com o ato de limpar? É importante
aprender sobre essas questões? Por quê?
16
EDUCAÇÃO FÍSICA: Movimento, coleta de dados
e abstração da experiência (Gonçalves e Santos,
1998:57-9):
 Exercício físico: Atividade física proposta na
aula de Educação Física.
 Coleta de dados: Anotação de dados sobre o
desempenho do aluno nas várias atividades
(tempo, deslocamento, altura, batimentos
cardíacos, dificuldades e facilidades,
preferências, etc)
 Abstração da experiência: Qual é minha
percepção e minha vivência de cada atividade
ao longo do semestre? Quais são minhas
preferências? Por quê? Quais são minhas
habilidades? Em que desejo melhorar? Por quê?
17
Referências






BAZERMAN, C. (1988). Shaping written knowledge: The genre and
activity of the experimental article in science. Madison, WI:
University of Wisconsin Press
BAZERMAN, C./ A. P. DIONÍSIO, J. C. HOFFNAGEL (Orgs.) (2005).
Gêneros textuais, tipificação e interação. São Paulo: Cortez.
BRASIL, Ministério da Educação. (2000). Parâmetros curriculares
nacionais para o ensino médio - linguagens, códigos e suas
tecnologias. Brasília: MEC.
CELIS, Gloria Inostroza de. (1998). Aprender a formar crianças
leitoras e escritoras. Trad. Jussara Haubert Rodrigues. Porto Alegre:
Artes Médicas.
GERALDI, J. W. (1997).Da redação à produção de textos. In: L.
Chiappini (Coord.) Aprender e ensinar com textos (Dos alunos), vol.
1, São Paulo: Cortez, p. 17-24.
GONÇALVES, C. J. S. & S. S. SANTOS. Ler e escrever também com o
corpo em movimento. In: I. C. B. Neves, J. V. Souza, N. O. Schäffer,
P. C. Guedes, R. Klüsener. (Orgs.) Ler e escrever: compromisso de
todas as áreas.Porto Alegre: Editora da Universidade/UFRGS,, p. 4564.
18
Referências (Cont.)





HALLIDAY, M. A. K. (1978). Language as social semiotic: the social
interpretation of language and meaning. London: Edward Arnold.
___. (1994). An introduction to functional grammar. 2nd. Edition.
London/Melbourne/Auckland: Edward Arnold.
KEHRWALD, I.P. (1998). Ler e escrever em artes visuais. In: I. C. B.
Neves, J. V. Souza, N. O. Schäffer, P. C. Guedes, R. Klüsener. (Orgs.)
Ler e escrever: compromisso de todas as áreas.Porto Alegre: Editora
da Universidade/UFRGS, p. 21-34.
KOZULIN, A. (1986). Vygotsky in context. In: L. Vygotsky; A. Kozulin
(tradução e revisão). Thought and language. Cambridge,
Mass./London, England: The MIT Press, p.xi-lvi.
LOPES, C. V. M. & E. B. F. DULAC. Idéias epalavras na/da ciência, ou,
leitura e escrita: o que a ciência tem a ver com isso? In: I. C. B.
Neves, J. V. Souza, N. O. Schäffer, P. C. Guedes, R. Klüsener. (Orgs.)
Ler e escrever: compromisso de todas as áreas.Porto Alegre: Editora
da Universidade/UFRGS, p. 35-44.
19
Referências (Cont.)







MARCUSCHI, L. A. (2005). Apresentação. In BAZERMAN, C./ A. P.
DIONÍSIO, J. C. HOFFNAGEL. (Orgs.) Gêneros textuais, tipificação e
interação. São Paulo: Cortez, p. 09-13.
MILLER, C. R. (1984). Genre as social action. Quarterly Journal of
Speech, 70: 151-67.
___. (1994). Rhetorical community: The cultural basis of genre. In: A.
Freedman & P. Medway (Eds.) Genre and the new rhetoric. London:
Taylor & Francis, p.67-78.
MOTTA-ROTH, D. (2005). Questões de metodologia em análise de
gêneros. In: A. M. Karwoski, B. Gaydeczka, K. S. Brito (Orgs.) Gêneros
textuais: reflexões e ensino. (Volume com as conferências apresentadas
durante o II SIGET - Simpósio Nacional de Estudo dos Gêneros Textuais,
realizado em União da Vitória, nos dias 05 e 06 de agosto de 2004.)
Palmas e União da Vitória, PR: Kaygangue. ISBN 8589625028, p. 179202.
NEVES, M.H.M. (1997). A gramática functional. São Paulo: Martins
Fontes.
___. (2000). Gramática de usos do português. São Paulo: Editora UNESP.
WITTGENSTEIN, L. ([1953]. 1958). Philosophical investigations.
Translation by G. E. M. Anscombe. New York: Macmillan.
20
Descargar

What else is missing?