FÓRUM DOS ECONOMISTAS
TURISMO E DESENVOLVIMENTO
O PAPEL DAS ROÇAS
1.
2.
3.
4.
5.
INTRODUÇÃO
QUE TURISMO PARA AS ILHAS
IMPACTO NA ECONOMIA
CONSTRANGIMENTOS
CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES
1
1 - INTRODUÇÃO
• As ilhas de S. Tomé e Príncipe têm uma
ímpar beleza natural.
• Por outro lado contam com uma população
acolhedora, humilde e afável, de história e
costumes que despertam a atenção dos
visitantes apesar da profunda degradação
quer das aldeias como do imenso património
arquitetónico particularmente nas antigas
roças coloniais
2
2 -QUE TURISMO PARA AS ILHAS
• As ilhas, pela sua localização estratégica no
Golfo da Guiné, e pela sua insularidade
reúnem condições para explorar um turismo
de cidade, baseado no shopping, lazer e
negócios atraindo as elites dos países da
sub-região.
3
2 -QUE TURISMO PARA AS ILHAS
• O TURISMO em STP deveria assentar-se
igualmente no seu principal POTENCIAL
que é uma exuberante e luxuriante natureza,
bem como as suas gentes.
• O ECOTURISMO e o AGROTURISMO
permitem a combinação do TURISMO com
a AGRICULTURA, levando vida as Roças
de Cacau e de Café.
4
CASAS DAS ANTIGAS ROÇAS
5
CASAS DAS ANTIGAS ROÇAS
6
2 -QUE TURISMO PARA AS ILHAS
• As ANTIGAS ROÇAS constituem um rico
património aonde se pode desenvolver, se
bem
concebido,
um
turismo
de
QUALIDADE com grande impacto na vida
social das pessoas.
• Para tal é vital investir-se nas pessoas que
hoje habitam as antigas roças.
• O sucesso e a auto sustentabilidade deste
tipo de turismo dependem da QUALIDADE
e o nível que se der a este sector.
7
2 -QUE TURISMO PARA AS ILHAS
• O
ECOTURISMO
DEVERÁ
SER
ASSOCIADO AO MAR E AS PRAIAS,
constituindo um excelente complemento.
Aqui a PESCA DESPORTIVA e o
MERGULHO podem jogar um importante
papel.
• Este tipo de turismo deve ser publicitado
sobretudo nos países da Europa, EUA e da
Asia.
8
2 -QUE TURISMO PARA AS ILHAS
• Neste campo já temos hoje alguns bons
exemplos, nomeadamente Roça Belo Monte
“Plantation Hotel” no Príncipe e Hotel
Mucumbli em Ponta Figo.
• O Grupo HB tem um projeto para a
construção de um Hotel no interior da
Quinta do Castelo, que consiste em recriar o
quintal de uma pequena roça com o casarão
(casa de patrão) e duas casas-comboio.
Quinta do Castelo é parte da antiga Roça
9
Castelo.
3 -IMPACTO NA ECONOMIA
EMPREGO:
• Nos anos 80 o sector de Agricultura geria
em STP mais do que 150 roças.
• Imaginem agora que cada uma dessas roças
se transforme em pequeno centro para alojar
turistas, poderíamos ter 150 centros com um
total de 1.500 quartos (3.000 camas)
gerando mais de 2.000 empregos diretos e
mais de 4.000 indiretos ou seja mais de
6.000 novos postos de trabalho no interior
das ilhas.
10
3 -IMPACTO NA ECONOMIA
RECEITAS:
• Com quartos a 60 euros/noite e taxa de
ocupação de 50% teríamos receitas de
alojamento acima de 16 MILHÕES de
euros por ano. A receita total de estadia
poderia superar os 25 MILHÕES de euros.
(PRESPECTIVA MODESTA).
11
3 -IMPACTO NA ECONOMIA
RECEITAS:
• Com quartos a 80 euros/noite e taxa de
ocupação de 60% os valores subiriam para
26
e
40
MILHÕES
euros.
(PERSPECTIVA OPTIMISTA).
• Atualmente as receitas com as exportações
agrícolas estão na ordem de 4 MILHÕES
de euros.
12
3 -IMPACTO NA ECONOMIA
OUTRAS VANTAGENS:
• Redução da pobreza no interior das ilhas.
• Reanimação da produção agrícola e efeito
multiplicador no resto da economia.
13
4 – CONSTRANGIMENTOS
a) Ausência de uma VISÃO NACIONAL
para o TURISMO,
b) Ausência de recursos,
O principal recurso para o desenvolvimento
deste sector é o HUMANO. De aí que a
FORMAÇÃO deveria ocupar um lugar
cimeiro.
14
4 - CONSTRANGIMENTOS
É inaceitável que até a presente data não exista
um hotel escola com vista a formação
profissional de jovens em áreas como
restauração, cozinheiros, camareiras, etc.
Ausência de recursos financeiros quer por
parte do estado como por parte dos
operadores económicos nacionais.
O recurso TERRA, sendo muito importante,
tem sido mal utilizado.
15
4 – CONSTRANGIMENTOS
c) País pequeno e pouco conhecido.
S.Tomé e Príncipe são duas pequenas ilhas e
naturalmente pouco conhecidas pelo mundo.
Necessita de medidas bem definidas com a
contribuição de profissionais que garantam a
correta divulgação das ilhas de modo a atrair
investidores externos e turistas.
16
4 – CONSTRANGIMENTOS
d) ATITUDE DOS DIRIGENTES.
A ausência de uma VISÃO NACIONAL
PARA O DESENVOLVIMENTO, é
consequência de uma deficiente atitude dos
dirigentes (políticos, judiciais, sindicais ou
empresariais).
Devido as incertezas e a fragilidade da
economia santomense os dirigentes
habituaram-se
a
se
servirem
das
organizações que dirigem em vez de se
preocuparem com a comunidade que essas
17
organizações têm a obrigação de servir.
4 – CONSTRANGIMENTOS
e) Impossibilidade de utilização de CARTÃO
VISA em STP.
O facto dos turistas estarem impedidos de
pagar com cartões de crédito, tem feito com
que algumas pessoas não venham a STP ou
limitem as suas despesas locais. Urge que se
levante este constrangimento. A intervenção
de bancos de 1ª linha com interesses em STP
é fundamental para a solução deste grande
problema.
18
5 - CONCLUSÕES/RECOMENDAÇÕES
• O
TURISMO
PODERÁ
JOGAL
UM
IMPORTANTE
PAPEL
NO
DESENVOLVIMENTO
DAS
ILHAS.
O
PATRIMÓNIO DAS ROÇAS DEVERÁ SER
RECUPERADO
PARA
A
SUSTENTABILIDADE
DO
PRÓPRIO
TURISMO BEM COMO PARA A REDUÇÃO
DA POBREZA NO INTERIOR DAS ILHAS.
• É FUNDAMENTAL A CRIAÇÃO DE UMA
VISÃO PARA O TURISMO DE QUALIDADE
NAS ILHAS.
19
5 - CONCLUSÕES/RECOMENDAÇÕES
• É FUNDAMENTAL A CRIAÇÃO DE UM
ORGANISMO PÚBLICO, COM RECURSOS
SUFICIENTES,
QUE
SE
OCUPE
SERIAMENTE DO TURISMO NACIONAL.
• A FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS É
UM FACTOR VITAL. PELO QUE É URGENTE
A CRIAÇÃO DE UM HOTEL ESCOLA.
• É IMPORTANTE A DIVULGAÇÃO DAS
ILHAS E DA SUA VISÃO EM RELAÇÃO AO
TURISMO.
20
5 - CONCLUSÕES/RECOMENDAÇÕES
• É IMPORTANTE QUE SE CRIE FACILIDADES
PARA PROMOVER O INVESTIMENTO
PRIVADO (ESTRANGEIRO E NACIONAL),
SOBRETUDO NO SETOR DE AGROTURISMO.
PRIVATIZAÇÃO DAS ROÇAS OU PARTE.
• ENCETAR UM PROCESSO DE SANEAMENTO
DAS SEDES DAS ROÇAS.
• PROMOVER
UMA
CAMPANHA
DE
SENSIBILIZAÇÃO DA POPULAÇÃO PARA
QUE
ELA
SE
APROPRIEDESTA
ACTIVIDADE, PASSANDO A TER UM PAPEL
MAIS ATIVO NO TURISMO.
21
5 - CONCLUSÕES/RECOMENDAÇÕES
• É FUNDAMENTAL QUE SE CRIE LINHAS DE
CRÉDITO BONIFICADO PARA O SETOR
PRIVADO NACIONAL VOLTADAS PARA O
TURISMO, AGRICULTURA E PECUÁRIA.
• CRIAR CONDIÇÕES PARA QUE Á NIVEL
NACIONAL
SE
POSSA
REALIZAR
COBRANÇAS ATRAVÉS DO SISTEMA VISA
(CARTÕES DE CRÉDITO).
22
5 - CONCLUSÕES/RECOMENDAÇÕES
• ALIGEIRAR OU MESMO ABOLIR O VISTO
DE ENTRADA NAS ILHAS PARA FINS
TURÍSTICOS. ESTA MEDIDA PODERIA SER
COMPENSADA COM A INTRODUÇÃO DE
UMA TAXA DE TURISMO A SER COBRADA
NOS HOTEIS.
• MELHORAR
OS
SERVIÇOS
NO
AEROPORTO DE S.TOMÉ DE MODO A
TORNÁ-LO RÁPIDO E EFICIENTE TANTO
NO EMBARQUE COMO NO DESEMBARQUE.
23
BELO MONTE - PRÍNCIPE
24
Muito Obrigado!
João Gomes
Descargar

que turismo para as ilhas