A Ética na Pesquisa Científica
Gilberto Câmara
INPE
Ética: uma questão moral?
“Não matarás.”
Ética: uma questão moral?
“Não matarás.”
E se você precisasse matar
para fugir de Auschwitz?
Origens da Ética: Aristóteles (384 BC – 322 BC)
“A virtude tem a ver com as
paixões e ações, nas quais o
excesso e a falta constituem e
são censurados, ao passo que
o meio é louvado e constitui a
retidão”
“A maior virtude ética é a
justiça.”
Ética em Aristóteles: vitória da
razão sobre os instintos (não tem
dimensão moral normativa)
Origens da Ética: Tomás de Aquino (1225- 1274)
“Todas as ações humanas devem
ser dirigidas a um fim último, a
felicidade de estar com Deus”
Quatro virtudes cardeais
Prudência : ver aquilo que é
Justiça: dar o que é devido
Coragem: resistir ao medo
Temperança: defender-se das
paixões
Ética em Tomás de Aquino: aplicação dos princípios
morais (normativa)
Origens da Ética: Spinoza (1632-1677)
“Deus é uma substância infinita,
composta de um infinito de atributos.
É a única substância do universo.”
(Deus, sive Natura)
“A mente humana pode entender a
essência infinita de Deus, mas não há
nada que ele possa fazer que o torne
imortal”
Não há Bem ou Mal absoluto; as más
ações são feitas por aqueles que não
conhecem Deus
Ética em Spinoza: aplicação do conhecimento (cognitiva)
Origens da Ética: Max Weber (1864-1920)
Ética da convicção: conjunto de
normas e valores que orientam o
comportamento na sua esfera
privada (lei moral)
Ética de responsabilidade: conjunto
de normas e valores que orientam a
decisão na vida pública (lei da
eficácia)
Ética em Weber: aplicação da razão pragmática (realista)
Ética Contemporânea: Comte-Sponville (1952-)
Moral: concerne o Bem e o Mal,
valores absolutos ou
transcendentais (“que devo fazer
para ser justo?”)
Ética: trata do bom e do ruim,
valores particulares à sociedade e
ao indivíduo (“como viver para ser
feliz?”)
Ética em Comte-Sponville: conjunto de práticas de
ação de uma comunidade
Ética na Pesquisa Científica
Conjunto de práticas
de ação adotadas
pela comunidade
científica
Método Científico: A Visão de Karl Popper
Popper: A questão central da filosofia da ciência é o problema
da demarcação: “Como separar a Ciência da não-Ciência?”
Popper: Conjecturas e refutações
Observações da natureza
C 6 H 6 ??
Intuições do cientista
(Kekulé)
Conjectura científica
(anel do benzeno)
Teorias como conjecturas: afirmações plausíveis sobre
o universo, que podem ser submetidas a testes críticos,
mas nunca podemos saber se são verdadeiras ou não
Gravitação Universal como conjectura
Observações
(Brahe, Galileo)
Conjectura
(Newton)
Gravitação universal (Newton) explica os movimentos dos
planetas medidos por Galileo e Brahe. Mas a gravitação é
uma idéia anti-intuitiva....
Gravitação Universal como conjectura
Observações
(Brahe, Galileo)
Conjectura
(Newton)
“I have not yet been able to discover the cause of these
properties of gravity from phenomena and I feign no
hypotheses... It is enough that gravity does really exist
and acts according to the laws I have explained, and that
it abundantly serves to account for all the motions of
celestial bodies...” (Newton)
Gravitação Universal como conjectura
Conjectura
(Newton)
Observações
(Brahe, Galileo)
“That one body may act upon another at a distance through
a vacuum without the mediation of anything else, by and
through which their action and force may be conveyed
from one another, is to me so great an absurdity that, I
believe, no man who has in philosophic matters a
competent faculty of thinking could ever fall into it.
(Newton)”
Relatividade geral (Einstein)
Conjectura
(Newton)
Gravitação como deformação do
espaco-tempo (conjectura)
Medida de deformação de sinais
enviados pela sonda Cassini
O Método Científico
Problema
Hipótese
Experimento
Resultados e
Conclusões
Quem define as práticas coletivamente
aceitas?
A comunidade científica é autoreferente e auto-regulada
Ética da comunidade científica: princípios
Primazia: quem publica o primeiro artigo
sobre o tema, tem o crédito da
descoberta (ou da invenção)
Avanço do conhecimento: todo artigo
científico deve conter um resultado
inédito e relevante para a Ciência
Reprodutibilidade: todo experimento
publicado deve ser replicável por outrem
Ética da comunidade científica: prática
Frequência: número de artigos
publicados por ano
Impacto: número de citações por
artigo
Recursos: capacidade de conseguir
dinheiro para pesquisa
“Efeito Mateus”
Prestígio!
Ética da comunidade científica: revisão por pares
Revisão por pares
Artigo recebido pelo editor
Enviado para revisores externos
Recomendações dos revisores
Nova revisão
Publicação
Problemas com revisão pelos pares
“Houston, we have a problem”
“Peer review is slow, expensive, profligate of academic time,
highly subjective, prone to bias, easily abused, poor at
detecting gross defects, and almost useless in detecting
fraud.” R. Smith, BMJ
Subjetividade
second review
50 pedidos para financiamento da NSF (Química)
Avaliados de forma independente duas vezes
Conclusão: julgamento depende de quem revisa
S Cole et al, “Chance and consensus in peer review”, Science 1991
Preconceito
Dificuldade em publicar artigos sem fazer parte dos principais
centros de pesquisa: problemas de reconhecimento e
preconceitos contra autores do Sul
Publish or perish?
Revistas de alto impacto geram prestígio…
Pesquisadores vivem sob
pressão
Paradoxo da Pesquisa Científica
Large Hadron Collider
Prêmio Nobel
Ciência moderna exige grandes
investimentos para produzir
resultados inovadores
Prestígio científico mantém o
modelo medieval (individual)
Na prática, a teoria é outra…
Problema
Hipótese
Experimento
Resultados e
Conclusões
Quais são os efeitos perversos da primazia?
Darwin e a publicação da Origem das Espécies
Viagem do Beagle (1831-1836)
Notas de Darwin
Tentilhões de Galápagos
Wallace e a teoria da seleção natural
A.R. Wallace (1823-1913)
Flor na Indonésia
Peixe no Amazonas
Darwin, Wallace e a seleção natural
“On The Tendency of
Varieties to Depart
Indefinitely from the
Original Type”
(June, 1858)
“All my originality
will be smashed”
(carta a Lyell)
Charles Lyell, editor
Quem descobriu o cálculo?
Newton propos o método dos
fluxions (baseado em tangentes)
Leibniz propôs o cálculo
diferencial (idéia de limite)
DNA: Teoria e observações
Levene descobriu a composição (ATCG)
mas propôs a estrutura errada (1919)
Meischer isolou o DNA (1871)
Hershey e Chase: DNA é o material genético do
virus T2 (1952)
Quem descobrirá a estrutura do DNA?
King´s College Londres
(Wilkings e Franklin)
Cambridge
(Watson e Crick)
CALTECH, LA
(Pauling)
DNA: Teoria e observações
Watson tem acesso à “Foto 51” de Rosalind
Franklin e descobre
dados faltantes
(1952)
Fotoos51(Franklin,
1952)
Watson e Crick constroem modelos de cartolina.
Faltam dados experimentais (1950)
Watson and Crick Nature, 171, pp 737-78 (1953)
Imagem atômica do DNA
Hwang Woo-Suk e a clonagem humana
Science, 3008, 1777 (2005)
Clonagem de cachorro
(2004)
Hwang Woo-Suk e a clonagem humana
Na prática, a teoria é outra…
Problema
Hipótese
Experimento
Resultados e
Conclusões
O que fazer quando o experimento não funciona ou
diferentes experimentos dão resultados incoerentes?
Um experimento crucial: o eclipse de 1919
desvio da luz previsto por Einstein
A previsão de Einstein, feita em
1916, de que a luz de uma estrela
deveria sofrer um desvio de 1,7"
ao passar bem perto do Sol, foi
testada durante um eclipse total
que ocorreu em 29 de maio de
1919. Esse eclipse foi visível em
uma faixa que ia do Brasil à Africa
Um experimento crucial: o eclipse de 1919
Expedições inglesas enviadas a Sobral e Principe
Equipamentos da expedição
em Sobral
Foto tirada por Eddington em
Principe para medir o desvio
da localização das estrelas
Um experimento crucial: o eclipse de 1919
Problema: os dados não coincidiam
Predição da teoria de Newton 0,87”
Predição da teoria de Einstein 1,75”
Sobral (instrumento 1) 1,98”
Sobral (instrumento 2) 0,93”
Principe (instrumento 3) 1,61”
O que fez Arthur Eddington (cientista-chefe)?
Um experimento crucial: o eclipse de 1919
Eddington ignorou os dados ruins de Sobral!
Somente em 1979 os dados de Eddington foram reanalisados e o erro na
medida de Sobral foi descrito
Harvey, G. M. (1979). “Gravitational Deflection of Light: A Re-examination of the
observations of the solar eclipse of 1919.” The Observatory 99, 195-198.
A Cruz de Einstein
The photograph shows four images
of a very distant quasar which has
been multiple-imaged by a
relatively nearby galaxy acting as a
gravitational lens.
The quasar seen here is at a
distance of 8 billion light years,
whereas the galaxy is at a distance
of 400 million light years.
Lente Gravitacional G2237 + 0305
(fonte: Hubble Space Telescope)
A questão do plágio
In the scientific community, the idea
that landscape and urban models must
be spatially explicit is common sense,
so that they can reproduce and analyze
spatial patterns found in geographical
reality. Any spatial process has an
inherent scale, and attempts to model
that process at levels of resolution
coarser than the inherent scale will
inevitably fail (Parker, 2002).
Este texto está ótimo, mas foi feito com “cut-and-paste”.
Reescreva, não faça plágio
In the scientific community, the idea that landscape
and urban models must be spatially explicit is
common sense, so that they can reproduce and
analyze spatial patterns found in geographical reality.
Any spatial process has an inherent scale, and
attempts to model that process at levels of resolution
coarser than the inherent scale will inevitably fail
(Parker, 2002).
Spatially-explicit modeling has great benefits for understanding
geographical reality. The location of each change allows a better analysis of
the underlying forces that cause change. However, all spatially-explicit
models require an adequate choice of the spatial resolution. This resolution
depends on the inherent scale of the spatial process being modeled. If we
model the process at an inappropriate scale, the model will not be realistic
(Parker, 2002)
Você pode se plagiar?
Reuso de até 30% de um artigo científico anterior é o limite
máximo aceitável para um novo artigo
Artigo em conferência pode ser aproveitado para revista
Partes de um artigo científico podem também ser reusadas para
um artigo de divulgação
(Pamela Samuelson, Self-Plagiarism or Fair Use,
Communications of the ACM, August 1994)
Na prática, a teoria é outra…
Problema
Hipótese
Experimento
Resultados e
Conclusões
O que fazer quando você é um cientista do terceiro
mundo?
Ciência Brasileira
Relevância para o avanço do
conhecimento
Ciência no Norte: o panorama visto de Harvard
Bohr
Pasteur
Edison
Relevância para aplicações imediatas
Fonte: Stokes, D. E. (1997). Pasteur's Quadrant:
Basic Science and Technological Innovation.
Ciência no Sul: o panorama visto de Capricórnio
100%
Matemática
Física
Conteúdo
téorico
(leis)
Ciência Espacial
Computação
Biologia tropical
Agricultura tropical
Ecologia e Meio Ambiente
Geociências
Conteúdo aplicado (resultados)
100%
Ciência do Sul: percentual relativo típico entre teoria e aplicações
Ciência no Sul: o panorama visto de Capricórnio
Impacto relativo dos papers da Ciência Brasileira (2003-2007)
comparado à média mundial (fonte:ISI)
100%
-11%
Matemática
-14%
Física
Conteúdo
téorico
(leis)
-31%
Ciência Espacial
-31%
Computação
Biologia tropical
-66%
Agricultura tropical
Ecologia e Meio Ambiente
Geociências
Conteúdo aplicado (novos resultados)
100%
Maior impacto: áreas teóricas (Matemática, Física) e áreas com
resultados visíveis (“efeito Amazônia”)
-45%
-12%
-12%
Ciência no Sul: o panorama visto de Capricórnio
A perversidade dos índices de impacto
-11%
Matemática
-14%
Física
Conteúdo
téorico
(leis)
-31%
Ciência Espacial
-31%
Computação
-66%
Biologia tropical
Agricultura tropical
Ecologia e Meio Ambiente
Geociências
-45%
-12%
-12%
Conteúdo aplicado (novos resultados)
As áreas mais diferenciadas da Ciência brasileira são as que tem menor
impacto no Exterior.
O peso da colaboração internacional
Papers com autores brasileiros com mais de 100 citações no
SCI: quem fez?
Numero de
artigos
Percentagem
Autores intern.
209
85%
Só brasileiros
39
15%
Total
248
Se quiser ser citado, publique junto com gringos
Parker e Meneghini, Anais da ABC, 2006
O “efeito Mateus” no prestígio científico
Índice-h dos membros das Academias de Ciências: Brasil e EUA
(Mugniani et al., Braz J of Medical and Biological Research, 2008)
Ciência nos países do Sul sempre terá menor impacto
O que você faria?
F Feitosa, G Câmara, A Monteiro, T Koschitzki, M Silva, “Global and Local Spatial Indices
of Urban Segregation”, International Journal of Geographical Information Science, vol
21(3):299-323, March 2007.
É honesto exagerar para publicar?
W. Laurance et al, “The Future of the Brazilian Amazon?”, Science, 2001
Cenários para a Amazônia em 2020 segundo
Laurance et al, 2001
Cenário otimista: 28% de desmatamento
Cenário pessimista: 42% de desmatamento
“We generated two models with realistic but
differing assumptions--termed the "optimistic"
and "nonoptimistic" scenarios--for the future of
the Brazilian Amazon. The models predict the
spatial distribution of deforested or heavily
degraded land, as well as moderately degraded,
lightly degraded, and pristine forests”.
The Future of Brazilian Amazonia?
Optimistic scenario: 28% of deforestation (1 million km2) by 2020
Complete degradation up to 20 km from roads (existing and
projected)
Moderate degradation up to 50 km from roads
Reduced degradation up to 100 km from roads
Cenário de catástrofe e realidade observada...
Laurance et al., 2001
Cenário otimista (2020)
Cerrado e desmatamento
Degradação moderada
Dado real do INPE (Prodes, 2008)
Savannas, non-forested areas,
deforested or heavely degrated
Desmatamento
Degradação leve
Floresta intocada
Floresta
Cenário de catástrofe e realidade observada...
Laurance et al., 2001
Cenário otimista (2020)
Dado real do INPE (Prodes, 2008)
Cerca de 1 milhão de km2
desmatados em 2020
Cerca de 500 mil km2
desmatados até 2009
Para que o cenário otimista de Laurence acontecesse, seria
preciso desmatar 50 mil km2 por ano de 2010 a 2020!
Pesquisadores do 3o. Mundo escrevem para Science
Amazon Deforestation Models: Challenging the Only-Roads
Approach
“Deforestation predictions presented by Laurance et al. are based on the
assumption that the governmental road infrastructure is the prime factor
driving deforestation. Simplistic models such as Laurance et al. may
deviate attention from real deforestation causes, being potentially
misleading in terms of deforestation control.”
Texto publicado como “letter”, sem o
mesmo destaque do artigo original de
Laurance.
Exagero de gringo tem mais valor que
resposta de dalit!
Conselhos para cientistas do Sul
Participe de redes informais de
pesquisa (simpósios e workshops)
Acompanhe a agenda de pesquisa
em sua área
Conselhos para jovens cientistas do Sul
Trabalhe com colaboradores
internacionais
Escreva seus artigos com a melhor
qualidade possível e não espere
ter grande impacto
Escola de Ciência ou Escola de Samba?
Brasil: ambiente menos
competitivo que EUA
Monte um grupo de pesquisa
realmente cooperativo, onde
todos se ajudam!
Aproveite ser um brasileiro e abrace nossa cultura informal
Resumo: A ética científica é amoral
Siga as regras da ética
científica para
conseguir publicar
Não tenha ilusões:
1. Ciência é atividade competitiva
2. Os limites da ética científica são fluidos
3. Há muita gente desonesta
...procure manter-se íntegro mesmo assim!
Resumo: A ética científica é amoral
Conheça as regras e os
limites da ética científica
e não tenha ilusões
Fazer Ciência não lhe fará ser uma
pessoa melhor...
...mas mesmo assim você poderá ser
feliz, se souber como agir!
Descargar

A Etica da Pesquisa Científica - DPI