Lugares imperdiveis
Luoghi imperdibili
2010
PARQUE TÊTE D'OR
Situado às margens do Rio Rhône, o parque tem uma superfície de 105 hectares e é um dos
maiores parques urbanos da França. Pode-se entrar no parque por 7 diferentes portões, sendo
o principal o que dá acesso direto ao lago de 16 hectares, parte importante da paisagem. O
projeto paisagístico é de Denis Bühler, bem como o projeto dos prédios e da estufa de plantas.
Há ainda uma espécie de zoológico, com vários animais (girafas, elefantes, leão, urso pardo,
aves, entre outros) e um roseiral com mais de 30.000 roseiras de 350 variedades diferentes.
Com vastos gramados e bosques centenários, aí são encontradas árvores de grande porte,
entre as quais se destacam plátanos, cedros, gikgos e ciprestes. Fotos: Christine J.
PRAÇA TERREAUX
Esta praça se situa na península entre os rios Rhône e Saône, ao pé da colina da Croix-Rousse. Nesta
praça encontra-se uma enorme fonte alegórica do Saône, do século XIX, realizada por Bartholdi, o
mesmo escultor da Estátua da Liberdade de Nova Iorque. Aqui se encontram os prédios da prefeitura
(Hôtel de Ville) e do Museu de Belas Artes. É um ponto importante na Festa das Luzes, pois na parede
desse prédios acontecem as maiores projeções de filmes durante o evento. Durante a Revolução
Francesa, foi instalada ali a guilhotina e é costume dos que conhecem a história não atravessar a praça
pelo centro, no local onde aconteciam as decapitações.
Foto: Christine J.
RUÍNAS DOS TEATROS GALO-ROMANOS
Situados na colina de Fourvière, tratam-se de antigos teatros dos tempos do Império Romano,
construídos no início do século II, quando a cidade era chamada “Lungdunum” pelos romanos.
São os mais antigos teatros deste tipo encontrados na França, sendo formados por um
conjunto de dois anfiteatros: o maior, com 108 metros de diâmetro, para 11.000 espectadores
e o menor (Odeon) com 73 metros de diâmetro e capacidade para 3.000 lugares. Atualmente,
constituem importante lugar para a realização de eventos culturais. Foto: Christine J.
PRAÇA BELLECOUR
Esta praça com 62.000 metros quadrados situa-se na península (presqu’ilê) entre os rios
Ródano (Rhône) e Saône. É uma das maiores praças abertas da Europa, com espaço livre para
pedestres e para eventos culturais. Durante a Festa das Luzes (Fête des Lumières), uma
enorme roda-gigante é montada na praça. No centro da praça encontra-se a estátua eqüestre
de Luís XIV, de François Lemot. Em outro ponto dela encontra-se uma estátua representando
“O Pequeno Príncipe” e Saint-Exupéry, que nasceu ali. A praça Bellecour é o marco zero da
cidade e dela partem importantes ruas de pedestres, com todo tipo de comércio. Foto:
Christine J.
MUSEU DE BELAS ARTES DE LYON
É o principal museu da cidade e uma das maiores galerias de arte na França. Está instalado
no Palácio Saint Pierre, um convento do século 17, exibindo uma importante coleção de
pinturas de artistas como Tintoretto, Veronese, Rubens, Rembrandt, Delacroix, Monet,
Gauguin, Van Gogh, Cézanne, Matisse, Picasso, entre outros. Apresenta também coleções
de esculturas, antiguidades romanas e gregas e possui a segunda maior coleção de
antiguidades egípcias na França, superado apenas pelo Museu do Louvre.
Fotos: Christine J.
BERGES DU RHÔNE
Uma via verde criada ao longo da encosta do rio Rhône, na sua margem esquerda, inaugurada em
maio de 2007. A via se estende de Gerland ao Parc de la Tête D’Or e foi criada exclusivamente para o
trânsito de pedestres e veículos não-motorizados (bicicletas, patinetes, patins). Ao longo do percurso
existem gramados, bancos, atividades diversas para esportistas (pistas para skate e bicicleta e
aparelhos para ginástica) e brinquedos para as crianças. Dali também partem os barcos de turismo
que levam aos passeios pelo rio e também são encontrados barcos ancorados com mesinhas, que
funcionam como bares e lanchonetes. Fotos: Christine J.
ÎLE BARBE
Ilha situada no meio do Rio
Saône, na região norte de
Lyon. O nome significa “Ilha
Bárbara” ou “Ilha Selvagem”.
Ali se encontra um mosteiro,
ao lado do Mosteiro de Saint
Pierre, um dos mais antigos de
Lyon. Ele foi um dos refúgios
preferidos do rei Carlos
Magno, no século V, que certa
vez manifestou o desejo de
terminar ali seus dias.
Basilique Notre-Dame de Fourvière
Bazilica Notre-Dame de Fourvière, dedicata Sfintei Fecioare Maria si construita
pe ruine galo-romane, domina orasul Lyon de la 48 de metri inaltime.
Arhitectura sa in stil neogotic este opera arhitectului Pierre Bossan. Bazilica a
devenit in timp un simbol al orasului Lyon.
Au XVIIe siècle la colline de Fourvière prenait une nouvelle importance. Alors
que la peste avait envahit la région, les échevins de la ville ont fait en 1643 le
voeu de monter en pèlerinage chaque année à Fourvière si l'épidemie s'arrête.
Leur voeu est exaucé et aujourd'hui encore, le Maire et les élus de Lyon
viennent chaque année renouveler le voeu des échevins.
En 1852 une statue de bronze doré de la Vièrge devait être inauguré le 8
septembre au sommet du clocher de la chapelle. Mais un incident retarde la
cérémonie pour le 8 décembre, mais les intémpéries empêchent les festivités
prévues. Les lyonnais allument spontanément des lampions à leurs fenêtres,
dans une ferveur unanime. Cette fête improvisée un soir, renouvelée l'année
suivante, prit un éclat particulier en 1854, lorsque fut proclamé le dogme de
l'Immaculée Conception. Ce fut le début de la tradition des illuminations du 8
décembre et de la Fête des Lumières à Lyon.
Depuis la plus haute antiquité, la colline de Fourvière – la colline qui prie- est
un haut lieu de la vie spirituelle et culturelle de Lyon. Des visites guidées sont
organisées tous les jours et le trésor de la basilique est exposé au musée d'Art
sacré. Près de deux millions de visiteurs s'y rendent chaque année et
découvrent un panorama magnifique s'étendant de Lyon au Mont-Blanc. La
basilique fait partie du site lyonnais inscrit sur la liste du patrimoine mondial de
l'UNESCO. Foto: Jessica.
http://www.fourviere.org/presentation.php
Cathédrale Saint-Jean
La cathédrale Saint-Jean-Baptiste de Lyon est
également appellée « primatiale », puisque la ville de
Lyon fut le Primat des Gaules, c'est-à-dire que la
première église chrétienne de Gaule y fut fondée
(par Saint Pothin, mort en 177).
Originellement l'église a été cosacrée sous le vocable
de Saint-Etienne, tandis que son baptistère était
consacré sous celui de Saint-Jean-Baptiste, le vocable
du baptistère s'est ensuite appliqué dans la
désignation courante.
Construite de 1180 à 1480, elle mélange le style
roman et le gothique. Elle abrite une horloge
astronomique du XIVe siècle.
Catedrala Saint-Jean este situata in cartierul istoric
numit « Vieux Lyon », pe malul stang al Saônei, la
poala colinei Fourvière. Acest cartier istoric a fost
inscris in anul 1998 pe lista Patrimoniului mondial
UNESCO. Foto: Christine J.
http://www.visitelyon.fr/eglisescathedrales/cathedrale-saint,jean,baptiste.php
Eglise Saint-Martin d'Ainay

Bazilica Saint-Martin d'Ainay este une dintre
ralele biserici construite in stil romanic
conservate la Lyon.
C'était l'église de l'abbaye d'Ainay, un prieuré
bénédictin élévé au rang d'abbaye et devenue
une des plus puissantes du rouyaume de
France. A la Renaissance, le monastère
possède un port, son abbé habite un palais et
les moines disposent d'importantes bâtiments,
cloîtres, d'un jardin et d'un vigne. Pendant les
guerres de religion l'abbaye est détruite. A la
fin du XVIIe siècle le monastère a disparu, une
simple paroisse prend la place de l'abbaye.
Classée monument historique en 1844, elle
est restaurée au cours du XIXe siècle selon
un style néo-roman. Fotos: Jessica
http://abbayeainay.free.fr/
Eglise Saint-Nizier

Bazilica este situata in Peninsula lyoneza intre place des
Terreaux si place des Jacobins.
Le site de l'église est chargé d'histoire religieuse et se
rattache à la mémoire des 48 premiers martyrs de Lyon et
des Gaules, suppliciés en 177. La légende dit que les cendres
des martyrs lyonnais ont été placés sous l'autel de cette
église.
La basilique a été d'abord consacrée aux Saints-Apôtres
Pierre est Paul. Mais le corps de l'ancien évêque Saint Nizier,
enterré ici en 573, a donné lieu a des nombreux miracles et
très vite un culte de ce saint s'est développé au point que
l'église finit par prendre son nom.
La silhouette de l'église Saint-Nizier est immédiatement
reconnaissable par ses deux flèches asymétriques. L'église
est principalement bâtie dans le style du gothique
flamboyant, avec un portail de style Renaissance.
Biserica este clasata monument istoric in anul 1840.
Parohia Saint-Nizier este foarte activa si dinamica. Ea este
animata de catre preoti si laici din Comunitatea Emmanuel
inca din 1996. Foto: Jessica.
http://www.visitelyon.fr/eglises-cathedrales/eglise,saintnizier.php
Eglise Saint Bruno des Chartereux


Est l'église de l'ancienne chartreuse de Lyon, un joyau
de l'art baroque.
La Chartereuse de Lyon a été construite au XVIIe et
XVIIIe siècles sur les pentes de la Croix-Rousse. Son
domaine s'étendait depuis les fortifications,
aujourd'hui boulevard de la Croix-Rousse, jusqu'à la
Saône. De la Chartereuse il reste l'église Saint-Bruno,
le petit cloître, le cimetière des moines, la salle
capitulaire, aujourd'hui chapelle Sainte-Claudine, des
cellules appartenant à des particuliers, le bâtiment
des voyageurs de la Chartereuse le réfectoire des
moines et la cellule du prieur incluse dans l'actuelle
Institution des Chartereux.
In 1803 este creata parohia Saint Bruno les
Chartereux iar bazilica devine biserica parohiala.
In 1911 biserica este clasata monument istoric.
Foto: Jessica
http://baroquestbruno.com/Francais_htm/a_visite.htm
Chapelle de la Trinité

Este una dintre cele mai frumoase perle ale
arhitecturii baroce din Lyon.
Le Collège des Jésuites a fait édifier l’Église de la
Très Sainte Trinité à partir de 1617. Elle fut
consacrée en 1622. Au début elle était destinée à
recevoir les étudiants du Collège. Cette vocation
à l’enseignement explique la décoration de la
chapelle et son organisation de l'espace qui laisse
pénétrer beaucoup de lumière.
Classée monument historique en 1939, la
chapelle tombe malgré tout dans l'oubli. Mais
dans les années ‘90 la Ville de Lyon entreprend
des travaux de restauration et rend à la Chapelle
sa beauté d'antan.
Dès l’origine, la musique fût un Art majeur
pratiqué dans ce lieu par les plus illustres
compositeurs du Royaume. Il était donc légitime
que ce Temple de la musique baroque redevienne
le cœur d’une riche programmation musicale.
La Chapelle de la Trinité este astazi in centrul
unei intense vieti sociale si culturale unde se
succed vizite partimoniale, defilari de hautecouture, seminarii, actiuni caritative si manifestari
ce se inscriu in caracterul international al
orasului Lyon. Foto: Jessica.
http://www.lachapellelyon.org/chapelle/presentation-de-la-chapelle.php
Eglise Saint-Irénée

Cette église est l'une des plus anciennes de
France. La crypte de l'église date de l'époque
carolingienne. L'église supérieure date du
début du XIXe siècle et remplace l'ancienne
église détruite pendant les guerres de
religions.
Le site est construit sur une nécropole
romaine installée à l'ouest de la cité de
Lugdunum très active dans du Haut Empire
Romain jusqu'au Moyen Age. Des fouilles en
l'an 2000 sur la place Saint-Irénée qui forme
le parvis de l'église ont permis de mettre à
jour de nombreuses sépultures de l'époque
romaine et paléo-chrétienne. On retrouve
des sarcophages de cette époque à
l'extérieur de l'église contre le mur
d'enceinte qui auraient été exhumés dès le
XIXe siècle dans le quartier.
La crypte et l'église ont été classés
monuments historiques en 1862. Foto: Jessica
http://qse.free.fr/spip.php?article25
Vieux Lyon e seus traboules

O bairro do Vieux Lyon, considerado Patrimônio da Humanidade
pela UNESCO, é situado entre a colina da Fourvière e o rio Saône,
é uma dos maiores bairros medievais e Renascentistas (com
Veneza), que permanece intacto até hoje em dia. Eles é composto
por vilas: Saint-Paul ao norte, Saint Jean ao centro e Saint Georges
ao sul.
Trata-se de um bairro essencialmente pedestre, o que propicia o
passeio pelas ruas em paralelepípedo, onde se pode admirar as
construções medievais e perambular pelos famosos traboules
(passagens através dos pátios dos imóveis, que permite a passagem
de uma rua a outra), que guardam até hoje suas características
medievais. O mais famoso deles é o Traboule de la tour rose, um
dos símbolos de Lyon. Os traboules tiveram papel importante na
história de Lyon, tendo servido se boa ferramenta na Idade Média
para se deslocar sem se fazer ver pelas autoridades quando se
portava sal, por exemplo, e tendo servido esconderijo aos “canuts”,
quando de suas revoltas, e também aos resistentes na Segunda
Guerra Mundial.
Há ainda a grandiosa Catedral Saint Jean, construída no século XII,
com seu relógio astronômico, mas igualmente as igrejas de Saint
Paul e de Saint Georges, a primeira do século XII e a segunda do
século XIX.
É lá que se localizam também o Museu Gadagne, que é o museu
histórico de Lyon e o Museu de Miniaturas, em uma construção do
século XVI. Fica lá também o belo prédio de galerias em arcadas da
Casa dos Advogados e o Palácio de Justiça, considerado
monumento histórico. Fotos: Jessica e Christine J.
Pinturas Murais

Lyon é a cidade das 150 pinturas murais. A cidade
mantém um carinho especial por esse tipo de arte desde
o século XIX, com pintores como o célebre lionês Pierre
Puvis de Chavannes, mas é a partir da década de 80 que
artistas e ateliês como Mur’Art e Cite de la Création vão
desenvolver essa arte querida aos lioneses.
Os muros pintados podem ser encontrados espalhados
por toda a cidade. Como os principais, temos o “Mur des
Canuts”, situado no Bairro da Croix-Rousse, e que é a
maior pintura mural da Europa. No cais Saint-Vincent,
temos o mural da Bibliotèque de la Cite, uma estante
cheia de livros de 2 metros de altura! No bairro do Vieux
Lyon temos o mural da Cour des Loges. Na rua da
Martinière, temos “La Fresque des Lyonnais”, onde
figuram, nas varandas de um apartamento, perto de 30
lioneses célebres. Além desses, temos ainda o espaço
Diego Rivera, não longe do estádio de Gerland, que
reproduz nos muros de dois prédios algumas pinturas do
pintor mexicano. Temos ainda pinturas em Saint Just, em
La Sarra, na Av. Jean Jaurès, na Guillotière, em Gerland,
entre outros. Sem se esquecer do Museu Urbano Tony
Garnier, que conta com 25 pinturas murais. Fotos: Jessica
http://decosurmesure-lol.blogspot.com/2007/11/lesfresques-de-lyon.html
http://www.cite-creation.com/peinturesmurales/pdf/planguide-lyon.pdf
Croix-Rousse

A Croix-Rousse, nome que vem da cruz em pierre de couzon (de
cor ocre) lá erigida no século XIV, é um bairro singular de Lyon,
muito marcado por seu passado. Primeiro, de vila romana (vizinha
da próspera Lugdunum), onde esses fizeram construir o santuário
federal das três Gálias, composto do altar dos Gauleses (de 12
a.C), dedicado a Roma e Augusto, e o Anfiteatro das três Gálias
(19 d.C), onde tiveram lugar também os martírios aos cristãos.
Segundo, de meca da indústria da seda na Europa, lar dos
“Canuts”, os operários da seda, que fizeram de Lyon a primeira
cidade industrial da França e que marcaram profundamente a
história e o urbanismo do bairro.
A colina e seus declives, “les pentes de la Croix-Rousse”,
continuam muito marcados pelos imóveis “canuts”, os
característicos apartamentos de 5 a 6 seis andares, com altas
janelas (de onde se pudessem pendurar as longas peças de seda) e
um mezanino, onde costumava viver toda a família de operários.
Lá podemos encontrar também muitos traboules (as passagens
entre imóveis), o que permitia aos “canuts” de circular mais
rapidamente entre as ladeiras das “Pentes de la Croix-Rousse”.
Atualmente, a Croix-Rousse, principalmente “les Pentes”, é
marcada por uma vida cultural e associativa agitada, com bares e
casas noturnas, muito freqüentadas pelos estudantes e também
por artistas, por sua cultura alternativa. Além disso, o bairro
abriga diversos pontos de interesse turístico, como os já ditos
anfiteatro des Trois Gaules, os Traboules (principalmente o
chamado da “Cour des Voraces” e a passagem Thiaffait) e a
arquitetura “canut”, o parque de la Cerisaie, o jardim Rosa Mir, as
lindas vistas que se tem da cidade desde o topo de algumas das
ladeiras, a igreja de Saint-Bruno des Chartreux, que é a única em
estilo barroco da cidade, a casa Brunet, dita de 365 janelas, o
muro dos Canuts, a maior pintura mural da Europa, o forte Saint
Jean... Entre outros! Fotos: Christine J.
Lorette, a casa de Pauline Jaricot


Em uma construção do século XVI,
viveu com sua irmã, de 1832 até 1862, o
ano de sua morte, uma das grandes
difusoras do cristianismo no mundo,
Pauline-Marie Jaricot. Fundadora da
“Propagação da Fé”, ela implantou obras
pontificais missionárias em 110 países.
No Jardim do Rosário, inaugurou-se em
2005 a casa Lorette, que outrora foi
abrigo do “Rosaire Vivant” (obra
apostólica para ajudar missões e os
pobres) de Pauline Jaricot, e hoje abriga
um museu, mas que ainda detém seu
caráter de local de memória e de
meditação.
Inscrita entre os monumentos
históricos, a casa de Pauline Jaricot
acolhe também a capela de Santa
Filomena e uma Grande Capela.
Foto: Jessica
Musée Urbain Tony Garnier

O premiado museu Tony Garnier foi concebido
no ano de 1985, como um projeto de reabilitação
da vila HBM États-Unis (em português, habitações
de aluguel barato). A vila, projetada como vila ideal
pelo célebre arquiteto lionês Tony Garnier, e
construída entre os anos de 1920 e 1937 para
servir de residência à famílias operárias,
permanecia intacta e envelhecida desde então. Os
moradores, unidos por uma cultura operária
comum e pelos anos de resistência durante a
Segunda Grande Guerra, criam, em 1983, um
Comitê de locatários que, em 1985, vai conseguir
com que os muros dos prédios sirvam de base
para a realização de pinturas murais pelos artistas
do ateliê Cite de la Création. Os prédios são
restaurados e os murais são pintados, dando nova
vida ao bairro dos États-Unis e à vila residencial.
Nasce aí o Museu Urbano Tony Garnier.
São 25 pinturas murais distribuídas em 5500 m²,
em um grande museu a céu aberto, constituindo
um conjunto de referência mundial e tendo sido
premiado pela UNESCO em 2009. Em um dos
prédios, pode-se ainda visitar um típico
apartamento dos anos 30, época da construção da
vila, todo mobiliado por doações dos próprios
moradores. O museu, além de extraordinária obra
cultural, é também grande ação social, tendo sido
idealizado e realizado com as ações de seus
moradores.
La Part-Dieu

Segundo centro da cidade de Lyon. E também
segundo bairro de negócios da França, logo
atrás do bairro de La Défense em Paris. A
Part-Dieu é o bairro moderno de Lyon e
abriga, como tal, o único centro comercial da
cidade (que é também o maior centro
comercial de centro de cidade da Europa) e
também sua estação de trens mais
movimentada.
A Part-Dieu é um bairro especialmente
projetado que começou a ser construído
depois da década de 70. Lá se localiza o único
arranha-céu da cidade de Lyon: la Tour de la
Part-Dieu, comumente chamada de “Le
crayon” pelos lioneses, que conta com 42
andares em 165 metros de altura, tendo em
seu último andar um restaurante panorâmico
de onde se tem uma bela vista.
A maior Biblioteca pública de Lyon também
fica lá, com a arquitetura moderna de seu “silo
de livros”, além do auditório Maurice-Ravel,
palco de apresentações de todo tipo de
música, do erudito à world music. Abriga a
Orquetra Nacional de Lyon e é depositário
do órgão histórico do Palácio do Trocadero.
La Sagrada Familia
La costruzione della Sagrada
Familia è così lunga che nella
sua storia si distingue
un’infanzia, un’adolescenza,
la gioventù e l’età adulta.
Iniziata nel 1881 e tuttora in
costruzione, è considerata il
capolavoro dell'architetto
Antoni Gaudí, massimo
esponente del modernismo
catalano.
Casa Batllo
Con i “semplici” lavori di
rinnovamento della
facciata di questo edificio
Gaudì realizzò una delle
sue opere più poetiche.
“Una pedra llançada a un
estany ple de nenúfars
florits produiria el mateix
efecte que la façana de la
Casa Batllò.”
http://www.casabatllo.es/
La Pedrera
Dopo la chiesa della Sagrada
Famìlia, la Casa Milà, detta “La
Pedrera”, è forse l’edificio più amato
di Gaudi dalla gente di Barcellona. La
Casa Milà copre un area di più di 100
metri quadrati e include due grandi
terrazze circolari. Grazie a queste,
quasi tuttele stanze della casa
godono di molta luce del sole. È
costruita interamente di pietre
naturali, e non ha tanti colori o tante
decorazioni ornamentali.
Forse la parte più interessante della
casa è il tetto: qui ci sono vari camini
surrealistici, i quali sembrano tante
sculture diverse, da sole o in piccoli
gruppi, e dominano la casa.
Le parc Guell
Nel progettare questo parco
Gaudí cercò di conservare
l'andamento naturale del terreno,
generando un’opera originale dal
profilo sinuoso. Per la sua
costruzione fece impiego di
variopinte ceramiche di recupero
e pezzi di vetro, utilizzati come
tessere di mosaici colorati,
assieme alle sue sculture in
calcestruzzo, che rappresentano
tutto un universo di animali
fantastici, rifacendosi in maniera
chiara al concetto del pittoresco.
Parc de la Ciutadella

La Ciutadella: il parco di Barcellona
Questo parco è il polmone verde di
Barcellona. Si trova dove una volta c’era la
cittadella militare fortificata, tanto che vi sono
ancora visibili alcuni degli edifici originari
come la Cappella, il Palau del Governador e
l'Arsenale, che oggi è sede del Parlamento
della Catalogna.
Il Parco è il luogo ideale per allontanarsi dal
caos della Rambla o dal traffico di Barcellona;
ha un aspetto accogliente e tranquillo, ideale
per rilassarsi, passeggiando tra cascate, laghi,
alberi e prati. All’interno del parco si trova
anche il Museo di Zoologia e il parco
zoologico. Fotos: Christine J
Parc Joan Mirò

Il Parco Joan Mirò (dell'Escorxador) nel
carrer de Tarragona rientra tra le mete
imperdibili per chi ama l’urbanistica e anche
l’architettura dei giardini. Il parco si trova al
limite occidentale del Plan Cerdà ed occupa
quattro isolati, creando quindi un grande
quartiere verde. La pianta del parco è di
tipo ortogonale, impostata sulla
collocazione decentrata della piazza
sopraelevata.
Esso è dotato di zone di ricreazione e
servizi ed ospita inoltre una
biblioteca/fonoteca intitolata a Mirò. Il
parco è stato ideato dagli architetti A.
Solanas, M. Quintana, B. Galì.
Collina del Montjüc

La collina del Montjuic era in passato a sede
dell'Esposizione Universale del 1929. In quegli anni si
realizzò la prima sistemazione urbanistica dell'area,
quando furono realizzati ampi giardini nella zona
occidentale della collina, e gli edifici oggi sede dei
principali istituti culturali e ricreativi della città.
Successivamente questa stessa collina è diventata il
simbolo del risveglio di Barcellona, in quanto vero
polmone verde della città in posizione strategica,
contemporaneamente vicino al mare e all'interno
della città. Si di essa, infatti, è stato collocato l’anello
olimpico con i suoi moderni impianti sportivi: il
complesso progettato dagli architetti Correa e Milà,
costituito appunto da moderni edifici tra cui lo
Stadio Olimpico dell'architetto italiano Vittori
Gregotti e il Palazzo dello Sport Sant Jordi
dell'architetto giapponese Arata Isozaki.
Il Montujuic del domani è infine rappresentato dal
Parco del Migdia, il grande giardino botanico e
forestale che circonda la zona Olimpica, progettato
da B. Galì.
Il Montjuic è collegato al porto dalla funivia
accessibile dal Miramar, ampia terrazza sullo sperone
orientale della collina. Fotos: Christine J
Descargar

Diapositiva 1