RADIOGRAFIA DE TÓRAX
Radiologia Torácica
Incidências:
1. Postero-anterior: evitar a magnificação do coração e
possibilita o posicionamento dos ombros de tal forma que
a escápula fique fora do filme.
2. Antero-posterior: crianças pequenas e pacientes graves
3. Perfil:
Sempre solicitada com a PA.
Auxilia bastante na localização e caracterização de lesões.
Rotineiramente realiza-se o perfil esquerdo
O perfil direito é realizado para avaliação de lesões à
direita.
Radiologia Torácica
RADIOGRAFIA DO TÓRAX

Posicionamento adequado do paciente
Radiografia de tórax em PA
Radiografia de tórax em AP
Radiografia de tórax em perfil
Radiografia ápico-lordótica
O feixe de raios X entra anteriormente e as costas estão em
contato com o filme. O paciente assume uma posição em
hiperlordose, retirando as clavículas dos campos. Esta incidência
tem grande valor para a avaliação dos ápices pulmonares, lobo
médio e língula.
Radiografia de tórax em decúbito
lateral com raios horizontais
Diferenciação entre derrame e espessamento pleural.
 O paciente é colocado em decúbito lateral, deitado
sobre o hemitórax a ser examinado e o feixe entra em
sentido horizontal.

Radiografia de tórax

Decúbito lateral com raios horizontais
Radiografia do tórax

Incidências oblíquas
Radiologia do tórax
Parâmetros técnicos
• com dose de radiação adequada
• bem inspirado
• adequadamente centrado
Radiologia do tórax

Inspiração correta: em apnéia inspiratória máxima. Para
sabermos se o exame está bem inspirado, devemos ter
de 9 a 11 costelas posteriores projetando-se sobre os
campos pulmonares.
Radiologia do tórax

Alinhamento: as bordas mediais das clavículas devem
estar eqüidistantes do centro da coluna. Além disto, as
escápulas devem estar fora do campo.
Radiologia do tórax

Radiografias mal alinhadas
Sistematização da interpretação da radiografia
simples do tórax










1. Partes moles: avaliação das mamas, região cervical, supraescapular, tecido subcutâneo, abdome superior
2. Ossos: coluna, clavículas, costelas, ombros, esterno
3. Coração: morfologia e dimensões
4. Aorta e artérias pulmonares: verificação de anomalias congênitas
e aneurismas
5. Mediastino: alargamentos, pneumomediastino, massas
6. Hilos: estudo comparativo da morfologia e dimensões
7. Parênquima pulmonar: nódulos, massas, consolidações, cavidades
8. Pleura: espessamentos, pneumotórax, derrame pleural
9. Diafragma: altura, morfologia, estudo comparativo
10. Seios costofrênicos: verificar se estão livres; em casos duvidosos
realizar decúbito lateral.
Radiologia do tórax
Partes moles
Arcabouço ósseo
Hilos pulmonares
Diafragmas e seios costofrênicos
Radiologia do tórax
Partes moles
Arcabouço ósseo
Hilos pulmonares
Diafragmas e seios costofrênicos
Radiologia do tórax
Partes moles
Arcabouço ósseo
Hilos pulmonares
Diafragmas e seios costofrênicos
Radiologia do tórax
Partes moles
Arcabouço ósseo
Hilos pulmonares
Diafragmas e seios costofrênicos
Radiologia do tórax
Partes moles
Arcabouço ósseo
Hilos pulmonares
Diafragmas e seios costofrênicos
Parênquima pulmonar: divisão em lobos

Pulmão direito
Parênquima pulmonar: divisão em lobos

Lobo superior direito
Parênquima pulmonar: divisão em lobos

Lobo médio
Parênquima pulmonar: divisão em lobos

Lobo inferior direito
Pulmão direito: divisão em segmentos
Pulmão direito: divisão em segmentos
Pulmão direito: divisão em segmentos
Parênquima pulmonar: divisão em lobos
Lobo superior esquerdo
Parênquima pulmonar: divisão em lobos

Lobo inferior esquerdo
Pulmão esquerdo: divisão em segmentos
Pulmão esquerdo: divisão em segmentos
Mediastino

Divisões do mediastino
Linhas cardíacas
Linhas cardíacas
Linhas Mediastinais

Linha de junção anterior: ponto de encontro entre os pulmões
anteriormente. Fica na linha mediana e abaixo do manúbrio
esternal. É vista em 20% das radiografias de tórax. Esta linha é de
difícil visualização e, portanto, não tem importância prática.
Linhas Mediastinais

Linha da veia cava superior: situada à direita da coluna vertebral,
dirigindo-se para o átrio direito.
Linhas Mediastinais

Linha da artéria subclávia esquerda: a artéria subclávia esquerda
emerge do arco da aorta e se dirige antero-superiormente à
esquerda.Visualizada na maior parte das radiografias.
Linhas Mediastinais

Linha da aorta descendente: deve estar à esquerda da coluna
vertebral. A porção ascendente da aorta é de difícil visualização, a
não ser que haja uma ectasia ou um aneurisma da aorta.
Linhas Mediastinais

Linhas paratraqueais: são finas; a direita é mais facilmente visualizada
(cerca de 60% das radiografias). Alargamentos podem ocorrer em
diversas condições, como hematomas, linfonodomegalias, massas
mediastinais ou tumores traqueais.
Linhas Mediastinais

Linha do recesso azigoesofágico: representa uma reentrância do
pulmão, próximo ao trajeto do esôfago e da ázigos. Ela se inicia na
carina e se dirige para baixo, em direção ao diafragma, num trajeto,
levemente, inclinado. Abaulamentos desta linha podem ser
decorrentes de linfonodomegalias, carcinoma esofágico, dilatação da
ázigos, cistos broncogênicos, etc.
Linhas Paratraqueais

Linhas paravertebrais: geralmente são imperceptíveis. Podem estar
alargadas em caso de alterações no mediastino posterior
(abscessos, neoplasias, ectasia da ázigos) ou na própria coluna
vertebral (osteófitos, tumores).
Radiografia do tórax


Conseguimos visualizar silhuetas vasculares até cerca de ¾ do
pulmão.
As marcas vasculares tem maior intensidade nos campos inferiores.
Radiografia de tórax em perfil
Radiografia de tórax em perfil
Radiografia de tórax em perfil
Radiografia de tórax em perfil
Descargar

RADIOGRAFIA DO TÓRAX - Sociedade Clemente Ferreira