Defeito Funcional Plaquetário
Hereditário e Adquirido
Reunião Clínica do CHSP
Nydia S Bacal
[email protected]
[email protected]
26, Setembro, 2007
Objetivo

Morfologia plaquetária e hemostasia primária

Defeitos plaquetários hereditários e adquiridos

Métodos laboratoriais no diagnóstico e
classificação das disfunções plaquetárias
Plaqueta




Célula discóide anuclear (3-5 microns).
Fragmentos do citoplasma de megacariócitos da
medula óssea.
Maturação 4-5 dias, meia vida 9-10 dias
Membrana bilaminar que contem várias invaginações
com um sistema canalicular aberto:


Ligado intracelularmente a um sistema tubular
denso, formando uma rede de interconexão através
da célula (complexo membránico)
Facilita a secreção dos grânulos
Célula não nucleada com meia-vida de 7 a 10 dias.
Pode reduzir a meia-vida para 3 a 4 dias indicando aumento de
consumo, aumento do turnover plaquetário.
(geneticamente? patológicamente?)
A estabilidade é conseguida por dois sistemas de canais
inter-conectados no interior da plaqueta: a fina rede de ligação
do canal –sistema tubular denso (amarelo) e os tubos tipo saco
(azul) o qual também prove a conexão com o exterior.
Um espiral de microtubulos mantém a forma discóide da
plaqueta.
A membrana plaquetária estica como um guarda chuva em
espiral e circula na corrente sanguínea.
A plaqueta é altamente especializada e diferenciada. Além dos
dois sistemas de canais apresenta outras organelas
(mitocondrias, lisossomos, grânulos de estocagem de
glicogênio, etc…).
Organelas da Plaqueta

Mitocondria, Aparelho de Golgi, ribossomos,
peroxisomos, lisossomos

Dois tipos de Grânulos de armazenamento:
Grânulos Alpha: Fator 4 Plaquetário , PDGF,
fibrinogênio, fibronectina, inibidor I do ativador
de plasminogênio (PAI I), Fatores V, VIII,e FvW
 Corpos Densos: histamina, epinefrina,
serotonina, ADP, cálcio

membrana
microtubulos
Sistema tubular
denso
Sistema canalicular
conectado a superfície
Mitocondria
Grânulos de glicogênio
Grânulos Densos
Grânulos α
Citoesqueleto plaquetário




Composto de filamentos de actina cruzados,
ligados a superfície interna da dupla membrana
lipídica
Regula a forma da plaqueta em repouso
Interage com os receptores transmembranicos
Ativação plaquetária através da cascata de
fosforilação proteica intracelular leva a sua
contração e liberação do conteúdo das
organelas plaquetárias
PLAQUETAS
Sistema canicular aberto
Sistema Tubular Denso
Grânulo α
Microtubulos
Grânulo Denso
Filamentos Actínicos
Estoque de glicogênio
Miosina
Mitocondria
Degranulação – liberação do
conteúdo dos grânulos α e densos
Mudança de forma (discóide
para esférica) e extensão de
pseudópodes
Superfície plaquetária

Possui numerosos receptores G-proteicos ou
receptores de adesão (integrinas):

heterodímeros transmembranicos compostos de
subunidades alpha e beta, responsáveis pela adesão e
sinais de transdução

São glicoproteinas designadas de I até IX (de forma
decrescente conforme tamanho molecular); e de a e b
conforme tipo de bandas obtidas por eletroforese
Glicoproteinas receptoras
GP Ib-V-IX: complexo de quatro produtos
gênicos, serve como um receptor para
FvW; adesão - (Bernard-Soulier)
 GP IIb-IIIa: mais abundante, reconhece os
quatro receptores de adesão: fibrinogênio,
fibronectina, vitronectina, e FvW;
agregação - (Glanzmann)
 Outros:


GP Ia, IIa; GP VI: receptores do colágeno
Hemostasia Primária

Extremamente dinâmica, interação
contínua entre vaso, plaqueta, e
componentes do plasma

Adesão, Ativação (Secreção), Agregação
Adesão




Rompimento vascular expõe os componentes
pró-coagulantes do sub-endotélio (matrix
extracelular, colágeno, proteoglicanos, e
fibronectina);
O FvW atua como uma ponte de adesão entre
o complexo GP Ib-V-IX da plaqueta e o
colágeno exposto;
As plaquetas aderem-se a fibronectina das
microfibrilas subendoteliais;
A associação FvW-GPIb é a ligação mais forte
para superar a força do fluxo sanguíneo.
Subendotélio
Secreção - Ativação




Mudança da forma de discóide para esférica com
extensão de pseudópodes promovida pela
contração do citoesqueleto
Conteúdo dos Granulos plaquetários são liberados
através do sistema canalicular
A contração do citoesqueleto ocorre pelo aumento
do Ca iônico intraplaquetário, modulado pela
redução do AMPc e aumento de ADP proveniente
da via das prostaglandinas (TXA2)
Também são expostos fosfolipídios na superfície
da membrana plaquetária, que são receptores dos
fatores da coagulação vitamina K dependentes
(Fator II, IX, X)
Contraste de Fase
Via das Prostaglandinas
Prostaglandinas
Ciclooxigenase
Prostaglandinas
(AAS)
Tromboxane Sintetase
(Clopidogrel)
Prostaciclina Sintetase
↓ Ca++ ↑
Prostaciclina (PGI2): poderoso antiagregante
plaquetário e vasodilatador
Tromboxane A2: poderoso agregante plaquetário e
vasoconstrictor
Drogas Antiagregantes
interferem nesses
mecanismos
Agregação

A contração da plaqueta provocada pela
reação de liberação propicia:
Mudança conformacional dos receptores IIbIIIa,
permitindo a ligação do fibrinogênio
 Agregação plaquetária via fibrinogênio
 Reação auto-catalítica ativando outras plaquetas
 Formação do plug primário hemostático

PLAQUETOPATIAS CONGÊNITAS
Raras
PORÉM...
Diagnósticos errados - terapias erradas
Corticóide, reposição de FvW , Esplenectomia, ou
omissão de tratamento
Quando Suspeitar ?
História Familiar - Dois ou mais parentes afetados
Sintomas associados - Defeitos Ósseos , Surdez, Catarata
congênita, Eczema, Imunodeficiência, Alterações Neurológicas
Sem resposta a tratamento para PTI
Visualizar em Sangue Periférico –
Inclusões em Neutrófilos, Plaquetas Gigantes, Alteração dos
grânulos
Sangramento desproporcional ao Nível Plaquetário
Plaquetopenia há muitos anos
Sangramento desde infância
EXAMES LABORATORIAIS NA AVALIAÇÃO PLAQUETÁRIA
Contagem Manual de Plaquetas
Importante  contadores automáticos não contam plaquetas com > 20 fL
analisadores automaticos hematológicos com atc monoclonais
Avaliar Morfologia Plaquetária
Confirmar trombocitopenia
Tamanho (macroplaquetas, microplaquetas)
Grânulos plaquetários
Tempo de Sangramento – Ivy
Agregação Plaquetária Técnica de Born
PFA – 100 x TS
Adesividade Plaquetária – Técnica de Salzman
Impact – (Diamed)
Citometria de Fluxo
Proteínas de superfície plaquetária CD41 (GPIIb) e CD61 (GPIIIa),
Estudo da Agregação Plaquetária
Agentes agregantes


Concentrações diferentes de cada agente levam à
formas diferentes de curvas
ADP, ADN e Colágeno permitem a obtenção de
curvas com duas ondas.




Primeira onda: efeito direto do agente agregante
Segunda onda: representa a reação de liberação plaquetária
Ácido aracdônico
Ristocetina (antibiótico): teste de aglutinação
plaquetária dependente do FvW, pode ser realizada
com plaquetas fixadas com formol

Defeito na agregação induzida com Ristocetina é característico de
Bernard-Soulier
Estudo da Agregação Plaquetária
PRP é preparado em
sangue total citratado
por leve centrifugação
(cerca de 500 rpm)
Agonistas ou agentes
Agregantes
Aumento da transmi tância da luz
Registro cinético pelo
Agregômetro
Problemas no estudo da
agregação plaquetária

Numerosas variáveis afetam a agregação:
 Anticoagulante
(citrato de sódio)
 Plaquetometia ajustada no PRP – 150.000 a
250.000/mm3
 Distribuição do tamanho plaquetário
 Variação circadiana (?)
 Relação com alimentação e atividade física
Atividade física diminui a concentração do AMPc –
plaquetas “mais sensíveis ao ADP”, pode ser visto na
hiperagregaçãodos atletas
Ht alterado - corrigir o anticoagulante na coleta
Tempo não pode ultrapassar 4 horas da coleta
Na agregação com adrenalina aguardar 30 minutos/60 minutos
Bleeding Time - Ivy
Função Vascular e Plaquetária
Pressão: 40 mmHg
Local: face anterior do antebraço
Lanceta 1cm / 1mm de profundidade
Papel de filtro a cada 30seg.,
evitando tocar as bordas do corte
Duas incisões: divergência acima de
1 min devemos investigar a causa
Valores normais: 7 a 9 minutos
PFA-100® Platelet
Function Analyzer
Tempo de Fechamento do
Orifício (obstrução)
Cartucho com 0,8mL sg citratado
Introdução do sg em alta velocidade
através de um capilar que encontra
uma membrana recoberta com
colágeno / epinefrina ou
colágeno / ADP que provoca adesão,
ativação e agregação plaquetária
Obstrui um orifício de 150 µm
cessa o fluxo sg.
Tempo de fechamento máx:
300 seg.
Afetado pelo número de plaquetas e Hematócrito,
Sensível ao Fator von Willebrand
Não é afetado pelo fibrinogênio,
Não apresenta correlação clínica em tromboses.
C.P.M.Hayward et al – PFA-100 in the evauation of platelet disorders and platelet function- J. Thromb Haemost 2006; 4:312-9.
TS x PFA-100
Baixa sensibilidade na triagem de pacientes com sangramento mucocutâneo
Sensibilidade:
TS
PFA-100
Combinação
36% (D. do Pool de Armazenamento)
30% (D. Von Willebrand)
48%
Boa especificidade
Especificidade:
TS
PFA-100 (Epinefrina)
PFA-100 (ADP)
91%
84%
87%
Thromb Haemost 2004:04:892
Thromb Haemost 2003:90:483
Jenninngs L, White MM, Jacoski MV, Krihnat R-Journal of Thrombosis and Haemostasis, 2003
IMPACT (immediate
microscopic platelet
adhesion cone and plate
technology) DiaMed
IMPACT
IMPACT-R
Mede a função plaquetária sob pressão de atrito
Sensível a função plaquetária,FvW,Ht e plaquetas
Based upon cone and platelet viscometer
developed by Varon
A 130ul of whole blood (citrated) is placed
in a polystyrene plate
Shear rate of 1800/s is applied for 2 min
Platelets adhere and aggregate on the
plate surface
Washing and staining
The plate is placed under a microscope
connected to an image analysis system
and a computer
Successive images of plate are taken and
the percentage of the well covered by the
stained objects and the average size of
these objects are quantified
Kenet,G.A. et al - Br.J.Haematol.1998.101:255-259
TEG
Diamandis M et al.- J Thromb Haemost. 2006 May;4(5):1086-94.
O anticorpo CD42b é diretamente ligado a glicoproteina plaquetária GPIb está
ausente ou presente em baixa expressão em pacientes com Síndrome
de Bernard-Soulier .
A glicoproteina plaquetária GPIb atua como receptor para o Fator Von Willebrand
e apresenta uma alta afinidade ao receptor de trombina.
Raramente utilizamos o CD42a(GPIX) e o CD42d(GPV) .
Na Trombastenia de Glanzmann há diminuição ou ausência do GP IIb (CD41) e o
GP IIIa (CD61)
Trombastenia de Glanzmann
Eduard Glanzmann (1887-1959), pediatra suiço
Relata um caso de doença com sangramento
inicial imediatamente após o nascimento
W. E. Glanzmann:Hereditäre hämorrhägische Thrombasthenie.
Ein Beitrag zur Pathologie der Blutplättchen.
Jahrbuch für Kinderheilkunde, 1918; 88: 1-42, 113-141.
Trombastenia de Glanzmann – Quadro Clínico
Menorragia
Equimoses
Epistaxe
Gengivorragia
Hemorragia TGI
Hematúria
Hemartrose
SNC
Hematoma Visceral
98%
86%
73%
55%
12%
6%
3%
2%
1%
George JN et al., Glanzmann’s thrombastenia: The spectrum of
clinical disease.
Blood. 1990, 75:1383
Diagnóstico- Trombastenia de
Glanzmann
Plaquetometria e morfologia são normais
 Tempo de Sangramento prolongado
 Redução ou ausência da agregação
plaquetária em resposta a múltiplos agonistas:
ADP,AND, trombina, ou colágeno (exceção
Ristocetina)
 Citometria de Fluxo: diminuição da expressão
do Atc Mono CD41 (GPIIb) e CD61 (GPIIIa)

Trombastenia – Doença de
Glanzmann - Naegeli




Receptor da superfície plaquetária mais abundante
IIbIIIa (80,000 por plaqueta)
Complexo IIbIIIa é um heterodímero dependente do
Ca++
Genes para ambas subunidades são encontrados no
Cromossomo 17
Doença Autossômica Recessiva causada por
mutações (substituição, inserção, deleção) em genes
codificados para IIb ou IIIa, resultando em
anormalidades qualitativas ou quantitativas das
proteinas
O defeito fundamental do paciente com
trombastenia é a inabilidade da plaqueta
em se agregar
 Outro problema: a plaqueta não se adere
normalmente na matrix do subendotélio
(devido a perda da interação da
fibronectina/FvW e IIbIIIa )
 Também, o fibrinogênio dos grânulos
alpha está diminuído ou ausente


Pacientes com Glanzmann são classificados
em três grupos baseados na expressão do
complexo:
Tipo I menos de 5% GPIIbIIIa, ausência de
fibrinogênio no grânulo alpha
Frequentemen resultado da mutação do gene IIb
Tipo II <20%, fibrinogênio presente
Tipo III >50%, trombastenia “variante”, doença
qualitativa
Síndrome de Bernard-Soulier

Primeiro descrito em 1948 por Jean Bernard
and Jean-Pierre Soulier; França
Bernard J, Soulier JP: Sur une nouvelle variete de
dystrophie thrombocytaire hemarroagipare congenitale.
Sem Hop Paris 24:3217, 1948
Autossômica Recessiva; caracterizada por
trombocitopenia moderada a severa , plaquetas
gigantes, e sangramento espontâneo
 Caracterizada pela deficiência ou disfunção do
complexo GP Ib-V-IX que perdem a capacidade
de aderir ao FvW

Síndrome Bernard-Soulier





A plaqueta contem cerca de 20.000 copias do GP Ib-V-IX
GP 1b é um heterodímero com uma subunidade alpha e
uma subunidade beta
O gene para GP Ib alpha está localizado no cromossomo
17; GP Ib beta: cromossomo 22; GPIX e V: cromossomo 3
Muitas mutações são incompletas ou parciais resultando
em parada precoce da codificação
Muitas mutações envolvem a expressão do GP Ib,
raramente a mutação do GP IX e não foi descrita
nenhuma mutação no GP V
Síndrome de Bernard Soulier – Quadro Clínico
Epistaxe
Equimoses
Menorragia
Gengivorragia
Hemorragia TGI
Pós-Trauma
Hematúria
SNC
Sangramento Retina
70%
58%
44%
42%
22%
13%
7%
4%
2%
Coller BS et al., Hereditary Qualitative Platelet Disorders. In:
Williams Hematology, 2005, 7th Edition, McGraw-Hill, p1795-1831
Diagnóstico- S. Bernard Soulier
T. S. prolongado (> 20 min),
Trombocitopenia (plaqueta <20.000/mm3),
Plaquetas gigantes (diâmetro médio >3.5
microns)
Diagnóstico – S. Bernard Soulier
Agregação plaquetária normal com todos
os agonistas, exceção com a Ristocetina
(oposto da Trombastenia)
 Citometria de Fluxo: diminuição da
expressão antigênica para a
 GPIb – CD42b
 GPIX – CD42a
 GPV – CD42d

Síndrome de Bernard Soulier – Sindromes Correlatas
Macrotrombocitopenia do Mediterrâneo
Pacientes da região do mediterrâneo com disfunção hemorrágica, macrotrombocitopenia
Heterozigose para variante de Bolzano da Síndrome de Bernard-Soulier
Síndrome de DiGeorge
Síndrome genética em que há deleção do locus 22q11
CATCH 22  anormalidades faciais, cardíacas, defeitos de células T, hipoparatireodismo
Deleção gene da Gp Ib – no locus 22q11.2
Muitos pacientes tem macrotrombocitopenia
Sem diátese hemorrágica na maioria dos casos
Doença de Von Willebrand Tipo Plaquetário
Mutação na Gp Iba no sítio de ligação com o FvW
Leva à ganho de função da Gp Iba  consumo de plaquetas e FvW
Macrotrombocitopenia e fenótipo semelhante à FvW tipo 2b
Diagnóstico diferencial utilizando agregação com plaquetas do paciente ressuspensas em
plasma normal.
Síndrome do Gene MYH9
Grupo de doenças de herança autossômica dominante que tem
mutação do gene MYH9:
- Anomalia de May-Hegglin (AMH)
- Síndrome de Sebastian (SBS)
- Síndrome de Epstein (EPTS)
- Síndrome de Fechtner (FTNS)
Tríade: Plaquetopenia, Plaquetas Gigantes e Inclusão em
Neutrófilos tipo corpúsculo de Döhle.
Características sindrômicas associadas: surdez, catarata,
glomerulopatia renal.
Distúrbios hemorrágico de leve intensidade ou ausente.
Doenças do Gene MYH9
Gene MYH9 localiza-se no cromossomo 22q11
Codifica proteína da cadeia pesada da miosina não muscular IIA
(NMMHC-IIA) presente em leucócitos e plaquetas
Papel na função do citoesqueleto  fagocitose e formação
plaquetária
Descritas 20 diferentes mutações em 65 famílias
Doenças do Gene MYH9 - Quadro Laboratorial
Plaquetopenia  20.000 – 120.000/mm3
Presença de macrotrombócitos - maiores plaquetas descritas,
cerca de 1/3 tem entre 30-80 fL
Histograma de Plaquetas Normais
Plaquetas MYH9
Mecanismo envolvido – trombopoese ineficaz
Disfunção plaquetária  incapacidade de alterar sua forma
por disfunção grave do citoesqueleto.
Doenças do Gene MYH9
Plaqueta Gigante e Corpúsculo tipo – Döhle
Doenças do Gene MYH9
Corpúsculos tipo Döhle e IHQ para NMMHC-IIA
Doença do Pool de
Armazenamento
Classificada pelo tipo de deficiência:
Agregação plaquetária semelhante à AAS
Deficiência de corpos densos,
 Deficiência de grânulos alpha: Síndrome da
Plaqueta Cinzenta,
 Deficiências mistas


GP V – Plaquetopatia de Quebec
Deficiência de Corpos Densos

Corpos densos estão
diminuídos (ADP,
ATP, Cálcio,
pirofosfato, 5HT)

Contem 3-6 corpos
densos de 300 micron

Doenças hereditárias:
Síndrome de Hermansky-Pudlak
Síndrome Wiskott-Aldrich
Síndrome de Chediak-Higashi
Síndrome da ausência de rádio e
trombocitopenia (TAR)
Wiskott-Aldrich





Ligada X, defeito genético da proteina responsável
pela actina na formação do citoesqueleto,
proveniente de células hematopoéticas
Caracterizada por trombocitopenia com defeito no
pool de armazenamento plaquetário, eczema, e
infecções recorrentes
Sobrevida mediana 10-20 anos.
Fenômenos auto-imunes - doença inflamatória
intestinal, artrite. Doenças linfoproliferativas
Tratamento
- Transplante de Medula óssea
- Corticoesteróides
Hermansky-Pudlak





Descrita em 1959 por Hermansky e Pudlak
Autossômica Recessiva, albinismo
oculocutâneo, depósito tipo ceróide em
lisossomos do SRE e medula óssea
Associada com Fibrose pulmonar e infecções
recorrentes
Deficiência quantitativa dos grânulos densos
com diátese hemorrágica leve a moderada
Alta prevalência em Porto Rico
Depósito tipo ceróide
Chediak-Higashi





Descrito por Beguez Cesar em 1943,
Steinbrinck em 1948, Chédiak em 1952, e
Higashi em 1954
Autossômica Recessiva; formação microtubular
anormal e grânulos lisossomais gigantes
presentes em fagócitos e melanócitos
Ausência de degranulação / quimiotaxia =
infecções bacterianas recorrentes
Albinismo oculocutâneo parcial
Diminuição ou ausência de grânulos nos corpos
densos
Inclusões gigantes em neutrófilos
Trombocitopênia com ausência de
Rádio (TAR)
Descrita em 1951
 Autossômica Recessiva, caracterizada por
ausência de radio, trombocitopenia (com
defeito no pool de armazenamento), e outras
anormalidades no esqueleto,no sistema GI,
sistema cardiovascular
 Hemorragia é a maior causa de mortalidade
 Prognóstico melhor se sobreviver por 2 anos
 Etiologia não esclarecida

Trombocitopenia com Ausência de Rádio
Greenhalg et al. Thrombocytopenia-absent radius syndrome: a clinical genetic study,
J Med Genet 2002;39:876–881
Trombocitopenia com Sinostose Radio-Ulnar
Mutação no gene HOXA11 –
hematopoiese e morfogênese
Thompson AA et al., Congenital thrombocytopenia and
radio-ulnar synostosis: a new familial syndrome.
Br J Haematol. 2001 Jun;113(4):866-70
Diagnóstico
Estudo da agregação plaquetária está
diminuida com baixa concentração de
colágeno
 ADP e epinefrina mostram diminuição na
resposta da segunda onda
 Agregação normal com Ristocetina
 Microscopia Eletrônica: perda de corpos
densos

Síndrome da Plaqueta Cinzenta
Deficiência de Granulos Alpha
Descrita por Raccuglia em 1971
 Caracterizada pela redução dos grânulos
alpha nas plaquetas. (plaquetas normais
contem em média 50 grânulos alpha).
 Apresentam sangramento cutâneo
mucoso leve a moderado

Diagnóstico
Tempo de Sangramento prolongado,
trombocitopenia moderada
 Plaquetas grandes, acinzentadas e
agranulares (ausência de cromômero)
 Estudo da Agregação: diminuição ou
ausência de resposta ao colágeno

PLAQUETOPATIAS ADQUIRIDAS




Drogas
Uremia
Cirrose
Mieloma Múltiplo
Paraproteina interfere na interação plaquetária

Doença Mieloproliferativa(P.V. e T.E.)
Grandes multímeros FvW adsorvem na plaqueta


Bypass Cardiopulmonar
Plaquetas em Banco de Sangue
Dispende GP Ibα, produz ácido lático, ↓pH, hiporeatividade
plaquetária, ↑ ATP, ativação com liberação do conteúdo
granular, ↑ formação de trombina
DIAGNÓSTICO
Sem história em parentes de primeiro grau
dois locais/ um local com necessidade
transfusional/ um local três vezes
Exame de esfregaço sanguíneo
TS / Teste com PFA
Descartar Doença de Von Willebrand
Agregação plaquetária
Citometria de Fluxo
Microscopia eletrônica para plaqueta
ISTH SSC Subcommittee on VWD. J Thromb Haemost 2005:3:775-777
1450 agregações plaquetárias realizadas
Trabalho apresentado na SBPC - 2006
Estudos Farmacogênicos
ISLH Miami - 2007 – Aula Dra K.Kottke-Marchant
Bases Moleculares de Resistência a Agentes
Anti- Plaquetários
Aspirina e Clopidogrel
Usadas na prevenção de complicações
ateroscleróticas
Efeito terapêutico é heterogêneo
Alguns pacientes não mostram inibição
plaquetária esperada ou benefício com
a terapia
Variação: 5 a 60%
Bases genômica ou proteômica não definida
Fontes

Glassy, Eric ed. Color Atlas of Hematology: An Illustrated Field Guide Based
on Proficiency Testing. (Northfield, Illinois: College of American Pathologists,
1998)

Ramasamy I. Inherited bleeding disorders: disorders of platelet adhesion
and aggregation.
Crit Rev Oncol Hematol. 2004 Jan;49(1):1-35. Review.

Janeway CM, Rivard GE, Tracy PB, Mann KG. Factor V Quebec revisited.
Blood. 1996 May 1;87(9):3571-8.

Robbins. Pathologic Basis of Disease. 7th ed (2004)

Hoffman, et al. Hematology: Basic Principles and Practice, 3r ed (2000)

Aula Dra Kandice Kottke Marchant – ISLH Miami 2007 www.islh.org

Wintrobe’s - Clinical Hematology 10 th ed. Lea &Febiger












http://precisionhaemostatics.com/images/mph_15.jpg
http://www.whonamedit.com/synd.cfm/2075.html
http://www.whonamedit.com/synd.cfm/1289.html
www.bloodmed.com/home/hann2pdf/bjh_3812.pdf
http://hsc.unm.edu/pathology/medlab/pappenb.jpg
http://www.med.uth.tmc.edu/edprog/pbl/exhibits1/images
/Mason_fig_1b.jpg
www.labmed.hallym.ac.kr/ hematol/Disease-findings.htm
http://pharmacology.tmu.edu.tw/platelet.jpg
www.cap.org/.../platelet_ disorders_feature.
faculty.washington.edu/ kepeter/118/photos/blo...
http://web.mit.edu/cherish/www/new%20images/platelet.j
pg
www.macmed.ttuhsc.edu/.../ pages/newpage20.htm
Obrigada pela Atenção !
Nydia Strachman Bacal
[email protected]
[email protected]
Drogas
ISLH Miami - 2007 – Aula Dra K.Kottke-Marchant
Outros agonistas

Epinefrina: trifásica (plaqueta em repouso,
agregação primária, agregação
secundária)
Síndrome de Bernard Soulier - Fisiopatologia
Sítio
Defeito
de Ligação
na
com
adesão
o FvW
dase a
Trombina
plaquetas ao
na
GpIba
FvW
Formação
Adesão com
de
macroplaquetas
citoesqueleto e
proteínas
e
trombocitopenia
sinalizadoras
Como a plaqueta promove a hemostasia
Diagnóstico
Tempo de Sangramento prolongado (> 20 min),
trombocitopenia (plaqueta <20.000/mm3),
esfregaço periférico apresenta plaquetas
gigantes (diâmetro médio >3.5 microns)
Diagnóstico
Agregação plaquetária normal com todos
os agonistas, exceção com a Ristocetina
(oposto da Trombastenia)
 Citometria de Fluxo: diminuição da
expressão antigênica para a
 GPIb – CD42b
 GPIX – CD42a
 GPV – CD42d

O anticorpo CD42b é diretamente ligado a glicoproteina plaquetária GPIb
Essa glicoproteina plaquetária atua como receptor para o Fator Von Willebrand
e apresenta uma alta afinidade ao receptor de trombina.
Raramente utilizamos o CD42a(GPIX) e o CD42d(GPV) .
O antígeno está ausente ou presente em baixa expressão em pacientes com
Síndrome de Bernard-Soulier .
CD41 (GPIIb) and CD61 (GPIIIa) – Trombastenia de Glanzmann
Bleeding Time - Ivy
PFA-100® Platelet
Function Analyzer
TS x PFA-100
• Baixa sensibilidade para triagem de pacientes com sangrameno mucocutâneo
Sensibilidade:
TS
PFA-100
Combinação
36% (D. do Pool de Armazenamento)
30% (D. Von Willebrand)
48%
• Boa especificidade
Especificidade:
TS
PFA-100 (Epinefrina)
PFA-100 (ADP)
91%
84%
87%
Thromb Haemost 2004:04:892
Thromb Haemost 2003:90:483
Descargar

rio e Adquirido