Conceitos de processamento
do passageiro
PROCESSAMENTO CENTRALIZADO
Todos os equipamentos do sistema estão localizados em
um só prédio
PROCESSAMENTO DESCENTRALIZADO
Os equipamentos estão localizados em unidades
modulares pequenas e repetidas em um ou mais prédios.
Cada unidade tem em torno de si uma ou mais posições de
parada da aeronave e atende aos passageiros que se utilizam
destas saídas
Existem cinco conceitos de processamento do passageiro,
cada qual variando nos graus de centralização
Portão de chegada descentralizado
Trazer o carro o mais próximo possível da
aeronave unidimensional.
Reduz as distancias de caminhada do
passageiro.
“Pier Finger”
Centralizado
A Principal característica deste conceito é
ter grande capacidade de processamento de
passageiros sem requerer grandes áreas.
“ Pier Satellite”
Centralizado
É parecido com o conceito do “Pier
Finger”, sendo que as aeronaves estacionam
em torno de edifício circular e não alongado.
Satellite (Remote Satellite)
Neste sistema a aeronave estaciona em
torno de unidades chamadas satélites, separados
no edifício do Terminal.
Este sistema
descentralização
processamento.
permite uma parcial
das
atividades
do
A condução dos passageiros é feita através
de túneis ou ônibus.
Métodos de analise para
planejamento do terminal de
passageiros
O principal propósito da analise dos sistemas de
processamento do passageiro e bagagens é determinar
a qualidade e tamanho dos equipamentos necessários e
se obter o nível desejado de serviços a um custo
razoável
São eles:
• Modelos de Rede
• Modelos de Fila
• Modelos de Simulação
Modelo de Rede
Neste modelo o tempo e a seqüência das
atividades é definido uma temporal entre a as
mesmas
Modelo de Fila
Esta teoria permite estimar-se o atraso e o
comprimento das filas, daí o dimensionamento
dos equipamentos, custos operacionais, etc
Modelo de Simulação
Este modelo é particularmente utilizado
quando análise do Sistema de Processamento
do Passageiro exige uma análise detalhada.
Uso do computador
Importante notar que a analise por simulação
não substitui outros modelos quando faltam
dados. Devem ser usados com precaução.
Processamento da bagagem
A circulação da bagagem está intimamente
ligada à circulação de passageiros . A
ineficiência daquela, gera atrasos e transtornos
para estes. O arranjo ideal é aquele pelo qual a
bagagem está livre e desembaraçada quando os
passageiros desembarcados vierem retirá-las.
Processamento da bagagem
As atividades deste processo são:
Embarque
• condução da bagagem do balcão para a área
central de distribuição
• Distribuição da bagagem de acordo com o
destino.
• Condução da bagagem aos locais da parada da
aeronave
• Embarque da bagagem na aeronave
Processamento da bagagem
Desembarque
- desembarque da bagagem da aeronave
- Condução da aeronave ate as áreas de
distribuição
- Identificação das bagagens que deveram ser
transferidas para outro vôo
- Condução da bagagem ao saguão de
retirada
Sistema de Pátios
O pátio define a conexão entre o edifício
terminal e o campo de pouso.
Três fatores determinam as dimensões dos
pátios fronteiros as estações de passageiros. São eles:
1. O número de posições de estacionamentos
2. A área ocupada por aeronave estacionada, de
acordo com o tipo.
3. O sistema de estacionamento das aeronaves
Sistema de Pátios
O número de posições de estacionamento,
depende principalmente:
1. Volume de trafego em horas de pico
2. Tempo em que cada aeronave fica
estacionada
Sistema de Pátios
No planejamento o tempo de estacionamento
das aeronaves maiores deve ser calculada em pelo
menos 60 minutos e as aeronaves menores em 10
minutos, donde: o calculo do tempo de estacionamento
depende:
1. Do tipo de ocupação
2. Das dimensões das aeronaves que necessitam
atendimento
Sistema de Pátios
Para se calcular o número de posição deve-se
observar o seguinte:
1. Identificação dos tipos de aeronaves a serem estacionadas e a
percentagem de cada tipo (mix)
2. Identificação do tempo de ocupação de cada tipo
3. Computador a média ponderada do tempo de ocupação
4. Determinar a capacidade total das pistas e a percentagem de
chegada e partida
G = VT
U
G = número de posição
V = Volume de projeto de chegada e partidas por
hora
T = média ponderada do tempo de ocupação
U = fator de utilização (sugerido entre 0,6 e 0,8)
Sistema de
Estacionamento de
Aeronaves
Sistema de Frontal
As aeronaves estacionam num alinhamento
imediatamente adjacente ao terminal.
Sistema de Frontal
Sistema de Expandido
Aumentando-se o número de aeronaves,
não mais será possível alinhá-las na
adjacência imediata do terminal. Este
sistema requer a condução dos passageiros
do terminal à aeronave (mobile lounges)
Esquema de Expandido
Sistema de Piers
Este sistema é usado em conjunção com
o conceito de Piers Finger. Permite a
expansão do número de posições de
estacionamento. Embarque de passageiros
através de “nose Bridges”. Portanto
protegidos.
Esquema de Pier
Sistema de Satélite
Denomina-se satélite pequenas edificações localizadas
nos pátios e ligadas ao terminal por meio de túneis ou
piers, em torno dos quais estacionam as aeronaves.
As vantagens dos satélites somente serão obtidas se
a sua ligação com a estação for efetuada por túnel.
As principais desvantagens do sistema de satélite são:
1. O elevado custo das construções de túneis
2. As descidas e subidas que os passageiros tem que
percorrer da estação ate a porta da aeronave.
Esquema de Satélite
Geometria dos Pátios das
Aeronaves
Concepção Pier
Concepção satélite
Geometria dos Pátios das
Aeronaves
Concepção linear
Conexão passageiro-aeronave
Geometria dos Pátios das
Aeronaves
Satélite retangular paralelo a taxiway
Pier perpendicular a taxiway
Geometria dos Pátios das
Aeronaves
Satélite retangular perpendicular
a taxiway
Pier com configuração ‘T’
Geometria dos Pátios das
Aeronaves
Concepção de Pier e Linear
combinadas
Geometria dos Pátios das
Aeronaves
Concepção de
Taxiway e satélite
combinadas
Geometria dos Pátios das
Aeronaves
Concepção semi-circular de Terminais
Dimensões da área de
estacionamento
A
área
necessária
para
o
estacionamento de uma aeronave depende
das dimensões da mesma e da maneira pela
qual ela chega e sai de sua posição de
estacionamento.
Outros fatores que influem no dimensionamento
da área de estacionamento:
1. As separações que para suas manobras as
aeronaves devem manter em relação a outras
aeronaves e edificações.
2. A sinalização do pátio e o numero de pessoas
que no solo orientam o piloto.
3. A localização das posições de estacionamento.
4. O ângulo que faz a aeronave estacionada com a
frente das edificações.
As distancias entre os pontos centrais
das posições de estacionamento sugerido
para algumas aeronaves supondo-se que
estas chegam por seus próprios meios e
saiam rebocadas por trator , são as
seguintes:
-
Boeing 747
Boeing 707, DC-8, VC-10
Boeing 737, DC-9
DC-1-, L-1011, A-300
78 metros
58 metros
47 metros
65 metros
Exemplos
de lado
aéreo e
lado
terrestre
Configuração Pier Radial
Um exemplo de
configuração
ineficaz de
pátio
Legenda de área perdidas
Área 1 = 33.5 m
Área 2 = 64 m
Área 3 = 24.4 m
Área 4 = 53.4 m
Configurações
Pier ‘Y’
Linear
Disposição das aeronaves nos
pátios de estacionamentos
Vantagens:
1. Na chegada é mais baixo o nível de
ruído
2. Na chegada da aeronave os gases de
escapamento não incidem no terminal
3. A porta dianteira da aeronave fica
próxima ao terminal
4. Requer área menor para a entrada da
aeronave
Desvantagens:
1. É necessário grande potencio para
girar a aeronave na partida
2. O ruído de alta intensidade da partida
das turbinas o jato é dirigindo para o
terminal
3. A porta traseira fica afastada do
terminal
Vantagens:
1. O peso menor da aeronave na
chegada permite o giro com os
motores potência relativamente
reduzida
2. O ruído da alta freqüência da
entrada das turbinas não é na
partida dirigido para o terminal
3. A porta traseira da aeronave fica
próxima ao terminal
Desvantagens:
A principal desvantagem é que na
partida os gases de escapamento e o
ruído dirigem-se para o terminal
Sob o ponto de vista do passageiros
é a melhor disposição.
Principal desvantagem – ocupa área
em demasia
A tendência é utilizar-se o sistema
de nariz para dentro que economiza
área e reduz o nível de ruídos e gases.
Áreas necessárias ao
terminal de passageiros
A determinação das áreas requeridas no
terminal de passageiros é fundamentalmente
em função do nível de serviço desejado
Para a determinação dos equipamentos e
dos espaços requeridos é necessário:
1. Identificação do volume e do
topo de passageiro
•
•
•
•
•
•
•
Volume anual
Volume horário (T.P.H.P.)
Internacional
Domestico
Chegando
Partindo
Em transito, etc
2. Identificação das necessidades
do passageiro-tipo
Através da tabulação dos equipamentos
relacionadas ao tipo de passageiro.
3. Calculo da área necessária
Existe três critérios para a determinação da
área:
• O critério da F.A.A.
• O critério da I.A.T.A.
• E o critério ergonômico, todos
relacionados ao T.P.H.P.
Sistemas
Sistema
Conceito de
Distribuição Vertical
Este conceito se apoia principalmente na separação
dos fluxos de chegada e partida de passageiros. Neste
caso as atividades relacionadas à partida ocorrem em
nível superior e as atividades relacionadas à chagada
ocorrem em nível inferior.
A quantidade de níveis depende do volume de
passageiros.
Pode haver também uma separação entre o sistema
de processamento do passageiro e o da bagagem. Neste
caso o processamento da bagagem ocorre no nível do
pátio.
Distribuição vertical
Distribuição vertical
Layout de meio fio e sistema
viário para embarque
Layout de meio fio e sistema
viário para desembarque
Esquema para Painéis
- Check-in Sistema linear com esteira comum
- Check-in Sistema linear com esteira individual
- Check-in Sistema Ilha
- Check-in Sistema linear com esteira comum
- Check-in Sistema linear com esteira individual
- Check-in Detalhe do Balcão
- Check-in Detalhe do Balcão
Descargar

Sistema de Pátios